Rede de Médicos debate no sábado (7) os desafios da Atenção Primária em Saúde no governo Bolsonaro

Facebooktwitter

Foto: Arte do evento

2/09/2019

 

 

Evento, que também discutirá a situação da APS no mundo, terá as presenças das pesquisadoras Maria Inez Padula e Lígia Giovanella.

 

 

Por Cecília Figueiredo, do Saúde Popular

A Rede de Médicas e Médicos Populares promove neste sábado (7), a partir das 14h, o debate público “Os desafios da Atenção Primária em Saúde no governo Bolsonaro e no mundo”. O evento, que integra a programação da Reunião Nacional da Rede de Médicas e Médicos Populares, no Rio de Janeiro, terá as presenças das sanitaristas, Maria Inez Padula, professora de Ciências Médicas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), e da professora e pesquisadora do Centro de Estudos Estratégicos da Fundação Osvaldo Cruz (CEE-Fiocruz) Ligia Giovanella, e a participação de dezenas de médicas e médicos no local.

O subfinanciamento do SUS, agravado pela Emenda Constitucional 95 que congela os gastos com saúde, educação e outras áreas sociais até 2036, a falta de profissionais no atendimento público, a ameaça de privatização da atenção primária à saúde, com a proposta da Medida Provisória 890, que cria o Programa Médicos pelo Brasil e uma agência para o desenvolvimento da atenção primária à saúde, para executar em âmbito nacional políticas de desenvolvimento da atenção primária à saúde deverão ser pontos abordados pelas sanitaristas no debate.

Parte da Reunião Nacional da Rede de Médicas e Médicos Populares, o debate é aberto a participação de interessados, no Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro, mas será também transmitido pela internet, por meio da página do Saúde Popular no Facebook.

 

 

Facebooktwitter

Um comentário sobre “Rede de Médicos debate no sábado (7) os desafios da Atenção Primária em Saúde no governo Bolsonaro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.