Repórter SUS | Infectologista fala sobre a importância da vacinação contra o sarampo

Facebooktwitter

Segundo monitoramento publicado no dia 6 de agosto, já foram notificados 4.226 casos de sarampo no Brasil
Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
19/08/2019

 

 

Nada salva mais vidas que a imunização.

 

 

Por Ana Paula Evangelista, para Brasil de Fato (RJ)

Um relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que o número de casos de sarampo registrados no primeiro semestre deste ano é o maior desde 2006. O surto de sarampo tem nível global e a incidência da doença triplicou em relação ao mesmo período no ano anterior, alcançando 364.808 casos registrados em 182 países.

O relatório ressalta a importância da vacina para que a doença não se espalhe. Em entrevista ao Repórter SUS, programa produzido em parceria com a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz, o infectologista pediátrico do Instituto Fernandes Figueira (IFF), Marcio Nehab, alerta sobre a importância da vacinação.

Ele destaca que um dos motivos da falta de interesse pela vacinação é a preocupação com a reação anafilática.

“Você tem a população brasileira de 208 milhões de pessoas. Se a reação anafilática é uma em um milhão e você não vê nenhum caso de sarampo, você passa a achar que aquela reação vacinal é mais comum que a doença”, explica.

O horário de funcionamento dos postos de saúde convergente com o horário de trabalho e a violência urbana são alguns dos fatores que diminuem a cobertura vacinal, segundo Nehab.

“Nada salva mais vida, nada diminui mais a mortalidade da população geral do que as vacinações. A única coisa que é mais eficaz em termos de saúde pública pela saúde da população é a água potável. Logo depois vem as vacinas”, analisa.

No Brasil, já foram notificados aproximadamente 4.226 casos, de acordo com o Monitoramento da Situação Epidemiológica do Ministério da Saúde publicado no dia 6 de agosto.

Para mais informações, confira a entrevista completa no player:

*Com colaboração de Bruna Caetano

 

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.