TCE encontra irregularidades durante vistoria surpresa em 300 hospitais do Estado

Facebooktwitter

Foto: TCE

26/06/2019

 

Blitz encontrou folhas de ponto previamente assinadas por médicos, problemas estruturais a equipamentos sem uso.

 

Por Redação*

Durante fiscalização em 300 unidades de saúde no interior, litoral e capital paulista, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP) encontrou equipamentos parados em 37% dos serviços visitados. A ação realizada na última terça-feira (25) teve como principal objetivo verificar as condições dos serviços oferecidos à população nos hospitais municipais, nas unidades básicas de Saúde (UBS), unidades de Pronto Atendimento (UPA) e Prontos-Socorros do estado de São Paulo.

A blitz, que envolveu 303 agentes da fiscalização da Corte paulista, foi realizada de forma concomitante e os trabalhos foram acompanhados ‘em tempo real’ por meio de uma central de monitoramento desenvolvida pelo Departamento de Tecnologia da Informação (DTI).

Em 60% dos equipamentos visitados a escala de enfermagem não estava acessível ao público, conforme estabelece a normatização do serviço público. Quase 80% das unidades não têm o auto de vistoria do Corpo de Bombeiros e 50% não possuem controle de qualidade da água.

Preliminarmente, o Tribunal detectou diversas irregularidades nas unidades vistoriadas dentre elas estão: medicamentos fora do prazo de validade e armazenados de forma inadequada, equipamentos em desuso ou quebrados, folha de ponto dos médicos e enfermeiros assinada de forma incorreta e/ou fora da conformidade, ausência do Auto Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), além de problemas estruturais como mofo nas paredes, filas de espera e pacientes acomodados em macas nos corredores.

Irregularidades encontradas

Os agentes da fiscalização do TCE checaram, além da situação dos almoxarifados, estoques de medicamentos, condições dos aparelhos, infraestrutura dos estabelecimentos, grau de satisfação do atendimento oferecido, a presença efetiva de médicos e servidores e a atuação de empresas terceirizadas ou administradas por Organizações Sociais de Saúde (OSS).

Dos 300 serviços vistoriados, 29 são administrados pelo Estado e 271 de responsabilidade dos municípios.

Do PS do Hospital Regional Sul, em Santo Amaro, fechado desde 2017 a longas filas na recepção e corredores lotados no Hospital Estadual Pirajussara, em Taboão da Serra, a segunda edição do SPTV veiculou imagens da blitz do TCE, na terça-feira (25).

A reportagem mostrou folhas de pontos assinadas antecipadamente por profissionais médicos em algumas unidades. Em Guarulhos, no Complexo Hospitalar Padre Bento, uma sala cheia de entulho e máquinas fora de uso. No Hospital dos Pimentas, no mesmo município da Grande São Paulo, máquinas de raio-x e de hemodiálise novas encaixotadas.

Situação semelhante também foi revelada no Hospital de Carapicuíba, onde aparelhos de hemodiálise, para realização de mamografia e arco cirúrgico estavam parados. Já na cidade de Osasco, teto com buracos pela infiltração no Pronto Atendimento de Vila Menk.

Outro lado

Conforme o telejornal SPTV 2ª edição, o governo do estado de São Paulo justificou que os equipamentos dos hospitais Padre Bento, em Guarulhos, e Geral de Carapicuíba, não podem mais ser utilizados e não servem para nada.

Já sobre o Hospital Geral de Pirajussara o governo afirma que os pacientes ficam nos corredores até que a conduta médica seja estabelecida.

Em relação ao Hospital Regional Sul, em Santo Amaro, afirma que o local passa por uma reforma.

O Hospital dos Pimentas, da Prefeitura de Guarulhos, disse que os equipamentos parados não fazem falta.

Já a Prefeitura de Osasco afirma que vai reformar a UPA da Vila Menk.

Próximos passos

A partir das informações coletadas, o TCE disse que elaborou um relatório gerencial com informações de interesse público que pode ser acessado por meio do link http://bit.ly/2ZUWF91. De acordo com o órgão, os dados segmentados e regionalizados obtidos durante a ação serão encaminhados aos Conselheiros Relatores de processos ligados às entidades fiscalizadas.

* Com informações do TCE e G1

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.