Repórter SUS | Governo Bolsonaro defende modelo ineficaz de rotulagem de alimentos

Facebooktwitter

Ao falar por primeira vez sobre a rotulagem de alimentos, que ocorre há cinco anos, ministro da Saúde defendeu GDA italiano.

Foto: Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável.

10/06/2019

 

 

GDA italiano não traz alertas ou informações para a compreensão do consumidor.

 

 

Por Ana Paula Evangelista, para Brasil de Fato (RJ)

A discussão sobre a rotulagem nas embalagens de alimentos foi iniciada em 2014, com questionamentos da Agência Nacional de Vigilância em Saúde, a Anvisa.

Nos últimos anos, os governos de vários estados e municípios têm discutido ações para tentar conter os índices de obesidade e de doenças associadas a ela: câncer, diabetes e hipertensão. Porém, passados cinco anos, a discussão parece estar longe de ser superada. Um problema para a saúde pública e o interesse público.

O jornalista João Peres, editor do site O Joio e o Trigo, veículo dedicado a temas relacionados à indústria de alimentos e seus conflitos de interesse com a saúde pública, esclarece no Repórter SUS, programa produzido em parceria com a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), a urgência do Estado brasileiro adotar medidas regulatórias.

“A mudança na rotulagem, com a adoção de um símbolo frontal na embalagem [de alimentos] foi uma das medidas adotadas pelos governos [de outros países]”, diz Peres.

Embalagem de alimento com rotulagem adotada no Chile. | Foto: Outra Saúde

Segundo ele, o Chile foi o primeiro país, em 2016, a adotar alertas na parte frontal do rótulo e de maneira obrigatória. Peru e Uruguai seguiram o mesmo modelo, e o Canadá está em processo de adoção.

Em declarações recentes, o ministro Luiz Henrique Mandetta defendeu o modelo de rotulagem conhecido como “GDA italiano”, em que as informações sobre os ítens da tabela nutricional são copiadas para a frente, sem nenhum alerta que facilite a compreensão e o uso da informação pelos consumidores.

GDA italiano não inclui alertas ou informações que auxiliem o consumidor. | Foto: Reprodução/Comissão Europeia de Alimentação

Toda a evidência científica que há sobre o “GDA”, um símbolo que foi criado no Reino Unido, na década passada, ressalta o jornalista, é de o modelo não funciona. “A questão da rotulagem tem que ser parte de uma agenda muito maior. No Chile, por exemplo, além da questão dos alertas, os produtos que exibem esses sinais não podem ser comercializados no ambiente escolar e não podem ter publicidade na tevê, entre 6 horas da manhã e 10 horas da noite”, cita.

Em sua opinião, trata-se de uma agenda que o Estado deve priorizar com urgência, em razão de mortes e prejuízo à qualidade de vida. “Os custos relacionados à obesidade são crescentes no sistema de saúde e não fazer nada, custa muito mais caro”, conclui.

Edição: Cecília Figueiredo

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.