Coluna | Paralisação do Mais Médicos estimula audiência das comissões de Educação e Saúde

Facebooktwitter

A promessa de regularização de 2 mil médicos cubanos é um dos questionamentos na audiência, assim como a não reposição de 7 mil vagas.

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

10/06/2019

 

 

Iniciativa, que acontece nesta quinta (13), visa identificar o que está acontecendo no programa; audiência será transmitida pela TV Câmara.

 

 

Por Alexandre Padilha*

O desastre e a destruição do governo Bolsonaro em relação ao Programa Mais Médicos é mais uma etapa do pacote de mortes nesse governo.

As evidências do desastre e da destruição não param, a ponto de nesta quinta-feira (13) ter sido convocada uma audiência pública juntando a Comissão de Seguridade Social, Saúde e Família e a Comissão de Educação na Câmara dos Deputados.

A proposta da audiência é identificar exatamente o que está acontecendo no programa Mais Médicos.

Mais de 7 mil vagas não foram repostas. O que está acontecendo com a promessa de regularizar a situação dos cerca de 2 mil médicos cubanos que ficaram no Brasil? O que está acontecendo com a situação da paralisação da abertura de vagas nos cursos de medicina das universidades públicas? A interrupção da Residência Médica, a ausência na prova de avaliação do ensino médio nas escolas particulares.

Interrupção total do Programa Mais Médicos.

Isso foi o que moveu duas comissões a de Seguridade Social, Saúde e Família e a da Educação convocarem essa audiência pública, no dia 13 de junho, a partir das 9h30. Quem não puder ir a Brasília, na Câmara dos Deputados, poderá acompanhar pelo site da TV Câmara.

Alexandre Padilha é médico infectologista, sanitarista, professor universitário e deputado federal eleito (PT-SP). Foi ministro de Assuntos Institucionais do governo Lula, ministro da Saúde do governo Dilma e secretário de Saúde da Prefeitura de São Paulo.

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.