Vacinação contra a gripe começa nesta quarta (10) para crianças e gestantes

Facebooktwitter

Ministério da Saúde não recomenda a utilização da vacina contra influenza 2018, por não ter a mesma composição da vacina deste ano.

Foto: Arquivo Saúde Popular

09/04/2019

 

 

Dia 22 de abril será a vez de idosos, trabalhadores da saúde e educação, povos indígenas, pessoas privadas de liberdade e com comorbidades.

 

Por Redação*

A partir desta quarta-feira (10), crianças entre 1 e 6 anos de idade, gestantes e puérperas (mulheres até 45 dias após o parto) poderão se vacinar contra a gripe. Segundo o Ministério da Saúde, a priorização segue recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e se deve a maior vulnerabilidade do grupo.

A definição, segundo a pasta, também é respaldada por estudos epidemiológicos e pela observação do comportamento das infecções respiratórias, que têm como principal agente os vírus da gripe. A meta é vacinar pelo menos 90% dos grupos elegíveis para vacinação.

No dia 22 de abril será a vez de todo o público-alvo, que inclui idosos, trabalhadores da saúde, povos indígenas, professores de escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades e outras condições clínicas especiais, jovens de 12 a 21 anos que cumprem medidas socioeducativas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

De acordo com o Ministério da Saúde houve alteração de duas cepas do vírus este ano. “O Ministério da Saúde não indica a utilização da vacina contra influenza com cepas 2018, pois não tem a mesma composição da vacina de 2019, o que faz com que não seja eficaz para proteção.”

Como prevenir

O Ministério da Saúde orienta a quem apresentar sintomas de gripe deve evitar sair de casa durante o período de transmissão da doença (até sete dias após o início dos sintomas), assim como evitar aglomerações e ambientes fechados, ter uma alimentação balanceada e ingestão de líquidos.

Lavar as mãos de forma constante, cobrir a boca com a mão ou utilizar lenço ao espirrar ou tossir, são cuidados simples que reduzem o risco de infecção pelo vírus.

 

* Com informações da Agência Brasil

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.