População brasileira cresce e leitos hospitalares diminuem, aponta relatório

Facebooktwitter

Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde traz dados sobre hospitais do país nos últimos anos

Pesquisadores do Projeto Avaliação do Desempenho do Sistema de Saúde (Proadess) monitoraram a assistência hospitalar no Brasil entre os anos de 2009 e 2017. O resultado está expresso no boletim informativo que traz dados sobre a situação da saúde no país. Uma das principais informações é de que a quantidade de leitos do Brasil diminuiu ao longo dos anos, enquanto a população aumentou. Segundo o IBGE, em 2009 a população brasileira era de 191,500 milhões de pessoas. Já em 2017, os números chegaram em 207,7 milhões de habitantes.

Em 2017, foram identificados 1,72 leitos por internações por mil habitantes, número inferior ao ano de 2009, quando a quantidade era de 1,87. Já o número de hospitais gerais e especializados diminuiu de 6.041 para 5.819. O que indica redução de cerca de 3,7% e de 8,4%, respectivamente.

A estrutura disponível em 2017, considerando estabelecimentos tanto públicos quanto privados conveniados ao SUS, era composta por 4.521 estabelecimentos hospitalares, o que significa uma diminuição de 5,5% no período se comparado com 2009.

No Nordeste, para cada 100 mil habitantes não há nenhum leito de cuidado intensivo em 33% das regiões de Saúde da área. As regiões Centro-Oeste e Sudeste sofreram redução de 17,4% e 15,2% nos chamados leitos de cuidado curativo, que incluem leitos clínicos, cirúrgicos, obstétricos e pediátricos.

O boletim também mostra uma desigualdade em relação às regiões do Brasil, com números de leitos e hospitais por habitante variando principalmente ao se considerar os disponíveis ao Sistema Público de Saúde (SUS).

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.