Rede de Médicos Populares e MST organizam brigada a Moçambique

Facebooktwitter

Passa de mil o número de casos de cólera, milhares de mortos e feridos, centenas de pessoas desabrigadas e a média diária de novos registros de infecção é de 200.

Foto: Arte CPMídias

8/04/2019

 

 

Entidades vão estender apoio na saúde, produção de alimentos, cuidado da água e a organização popular

 

 

Por Cecília Figueiredo, do Saúde Popular

A Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares (RNMMP), em conjunto com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), participará de uma brigada de solidariedade ao povo moçambicano que sofre com as consequências da passagem do ciclone Idai.

A iniciativa, segundo Augusto Cézar, do setor de saúde do MST e da RNMMP, atende não apenas a um chamado do movimento, mas a “oferta de solidariedade que caracteriza a Rede”.

O médico explica que a RNMMP está contribuindo na articulação, organização e envio de profissionais de saúde para atuarem, em esquema de rodízio, nos próximos seis meses em Moçambique. “A ideia é que os profissionais fiquem, no mínimo, um mês atuando na cidade mais afetada pelo ciclone”, acrescenta.

O ciclone trouxe perdas humanas e materiais incalculáveis. Passa de mil o número de casos de cólera, conforme dados do início deste mês pelo Ministério da Saúde do país, além do risco de epidemias e outros agravos. São centenas de pessoas desabrigadas, milhares de mortos e feridos e uma média diária estimada de 200 novos registros de infecções.

+ Para a Via Campesina, tragédias em Moçambique e Zimbábue já estavam anunciadas

A passagem do ciclone e a falta de medidas preventivas dos governos causou danos extensos à infraestrutura do país africano e impacto bastante nocivo à agricultura.

Solidariedade a quem precisa

A meta, segundo Augusto Cezar, é enviar 25 profissionais na Brigada de Solidariedade a Moçambique. “Para pensar seus processos de saúde, de adoecimento e de cuidado. A gente sabe que é uma tarefa difícil, pela situação política, social e estrutural do País, mas essas adversidades são as que nos impõem cada vez mais solidariedade”.

Entre final de abril e setembro, os brigadista da Rede estarão atuando junto com os do MST nas cidades de Sofala, Manica, Zambésia e Tete, províncias que integram a região mais afetada de Moçambique. Essa solidariedade vai além do campo da saúde, explica ele: “amplia para a produção de alimentos, o cuidado da água e a organização popular”.

Eline Ethel, médica da RNMMP, que atua na Estratégia de Saúde da Família em São Paulo, disse que nesse momento estão na etapa de convocação. O período de permanência, de no mínimo um mês, pode ser prorrogado pelo profissional, conforme a disponibilidade de cada brigadista.

Os médicos explicam também que o trabalho na Brigada de Solidariedade não se restringirá aos cuidados em saúde do povo moçambicano, mas também aos profissionais que estarão na região. Médicas e médicos do coletivo atuaram anteriormente na cidade de Mariana (2015) e este ano em Brumadinho, para auxiliar a população mineira vítima dos crimes ambientais cometidos pela Vale.

Profissionais interessados em participar da brigada de solidariedade ao povo moçambicano devem encaminhar nome, formas de contato e mês de disponibilidade para secretariamedicospopulares@gmail.com, aos cuidados de Eline Ethel e Augusto Cézar.

 

Edição: Daniela Stefano

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.