COLUNA | Governo Bolsonaro: cem dias sem nada para a saúde

Facebooktwitter

“A métrica das preocupações do Bolsonaro é a quantidade de postagens no Twitter; ele não fez nenhum tuíte nesses 100 dias para a saúde”, observa o deputado

Foto: Agência Brasil

12/04/2019

 

 

 Padilha cita a “destruição” do Mais Médicos, a queda na vacinação, redução do Farmácia Popular, sucateamento do SAMU, como impactos EC 95 que já retirou esse ano cerca de R$ 9 bilhões da pasta.

 

 

 

Por Alexandre Padilha*

São 100 dias, sem nada para a Saúde. É impressionante como a área da saúde, uma das que mais preocupa a população, conforme todas as pesquisas indicam, não teve nada do governo Bolsonaro!

Quando a gente pega as metas dos cem primeiros dias, a única meta que dizia respeito à saúde era a de intensificar a campanha de vacinação, e o que tivemos nesses cem dias foi o Brasil perdendo o certificado internacional de território livre de sarampo. Tivemos também a destruição do Programa Mais Médicos e hoje temos cerca de 15 milhões de brasileiros antes atendidos por esses profissionais, hoje não os têm mais na unidade básica de saúde.

O discurso, a intolerância do governo Bolsonaro não leva médico e médica para ninguém.

É muito grave o que está acontecendo com o Farmácia Popular, são cerca de 7 milhões de brasileiros a menos acessando o programa; é muito grave como isso repercute na saúde dos municípios e dos estados.

Não à toa, a cidade de São Paulo está enfrentando hoje a destruição do SAMU. O prefeito de São Paulo [Bruno Covas] transformando algumas ambulâncias em 12 horas, fechando bases, ou seja, isso vai fazer com que o atendimento demore ainda mais para chegar até a população. Está ameaçando com a possibilidade de terceirização do serviço do SAMU, e isso está acontecendo em várias cidades do País, por conta já dos impactos da chamada EC 95 [Emenda Constitucional], que já retirou esse ano cerca de 9 bilhões de reais do orçamento do Ministério da Saúde.

Portanto, são 100 dias sem nada para a Saúde, só notícias ruins, e uma demonstração muito clara que o presidente Bolsonaro está pouco se lixando para a saúde do povo brasileiro.

A métrica das preocupações do Bolsonaro é a quantidade de postagens no Twitter. Ele não fez nenhum tuíte nesses 100 dias para a saúde.

O único pronunciamento dele, em redes sociais sobre a área de saúde, foi querer ordenar que os pais e mães rasguem as páginas dedicadas a saúde do adolescente [Caderneta de Saúde da Adolescente, impressa pelo Ministério da Saúde para meninas de 10 a 19 anos].

Cem dias, sem nada para a saúde!

Alexandre Padilha é médico infectologista, sanitarista, professor universitário e deputado federal eleito (PT-SP). Foi ministro de Assuntos Institucionais do governo Lula, ministro da Saúde do governo Dilma e secretário de Saúde da Prefeitura de São Paulo.

 

Edição: Cecília Figueiredo

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.