Conselho Nacional de Saúde recomenda que Congresso interrompa tramitação da reforma da previdência

Facebooktwitter

Reunião teve a presença do secretário adjunto de Previdência, Narlon Nogueira, que destacou a necessidade de “desconstitucionalização” entre os princípios básicos da proposta. 

Foto: CNS

18/03/2019

 

 

Foi apontada a inconstitucionalidade da PEC, que altera os principais artigos dos direitos previdenciários; conselheiros querem debate com a sociedade.

 

 

Por SUSConecta

O plenário do Conselho Nacional de Saúde (CNS) aprovou recomendação para que o Congresso Nacional interrompa a tramitação da reforma da previdência. Os conselheiros nacionais de saúde entendem que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 06/2019 vai acentuar a desigualdade social no país e causará grave impacto sobre a saúde da população brasileira. A deliberação ocorreu na última sexta-feira (15).

Entre os pontos de maior debate está a inconstitucionalidade da PEC. A proposta para modificar o sistema de Previdência Social altera os artigos 22, 37, 38, 39, 40, 42, 109, 149, 167, 194, 195, 201, 203, 239 e 251 da Constituição Federal, que atualmente garantem os principais aspectos dos direitos previdenciários.

O assunto foi tema da 315ª Reunião Ordinária do CNS, com a presença do secretário adjunto de Previdência, Narlon Nogueira, do Ministério da Economia, que apresentou as alterações para a previdência social brasileira. Ele destacou a necessidade de desconstitucionalização entre os princípios básicos da proposta. “Nenhuma constituição no mundo trata no seu texto destas regras, isso existe apenas na constituição brasileira e está sendo retirado. Poderá depois ser alterado por meio de lei complementar”, informa Nogueira.

Para o advogado e professor especialista no Direito Previdenciário e Tributário, Diego Monteiro Cherulli, que participou do debate, o Brasil não está preparado para aceitar a desconstitucionalização. “Essa regra oferece muita insegurança jurídica. A falta de confiança legitima do cidadão no Estado hoje é quase inexistente. O brasileiro não confia no seu modelo legislativo e no Congresso Nacional. Isso desestabiliza o brasileiro em aceitar a desconstitucionalização”, avaliou.

Conheça a proposta para reforma da previdência, apresentada pelo Governo Federal

A proposta da reforma da previdência estabelece idade mínima para aposentadoria em 62 anos para mulheres e 65 anos para homens, além de aumentar o tempo mínimo de contribuição de 15 para 20 anos. Os conselheiros nacionais de saúde entendem que esta regra penaliza as pessoas que começaram a trabalhar muito jovens e dificulta o acesso à aposentadoria, devido ao aumento da informalidade no país.

“A previdência sobrevive dos encargos dos empregos formais, mas não há mais emprego formal, tampouco incentivo algum para contratação com carteira assinada. É um crime a forma como essa proposta está sendo apresentada”, afirma o conselheiro Geordeci Menezes de Souza, representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

“O Brasil vive hoje uma grande marcha de insensatez. Destruiu-se o mercado de trabalho formal com a reforma trabalhista e com essa reforma vão acabar com a previdência social”, completa o conselheiro nacional Casemiro dos Reis Junior, representante da Federação Médica Brasileira (FMB).

Debate com participação popular

O plenário do CNS concorda sobre a necessidade de reformar o sistema de previdência social, porém os conselheiros defendem a participação popular nos debates, já que não houve diálogo com a sociedade brasileira quanto ao conteúdo e a forma como foi elaborada a proposta.

Dessa forma, o documento aprovado para interromper a tramitação da reforma da previdência dá ênfase à necessidade de se ampliar as discussões, com garantia de plena participação de diferentes setores e segmentos sociais e suas representações.

“O que está acontecendo no momento é uma disputa pelos fundos públicos e quem quer abocanhá-los é justamente quem não contribui”, afirma a conselheira nacional de saúde Francisca Valda, representante da Associação Brasileira de Enfermagem (Aben). “As corporações econômicas querem estabelecer de vez o estado mínimo e extinguir o sistema de proteção social, que é sustentado pelo trabalhador”, completa.

“Se existe uma crise, porque não se taxa as grandes fortunas? Por que não fazer uma reforma tributária? ”, questiona a conselheira nacional Manuelle Maria Marques, representante da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG).

O CNS recomenda que o debate seja estendido aos participantes das etapas preparatórias para a 16ª Conferência Nacional de Saúde (8ª + 8), promovido pelos conselhos municipais e estaduais de saúde e entidades e movimentos sociais.

A proposta da reforma da previdência começou a tramitar na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados na quinta-feira (14/03). Por se tratar de Proposta de Emenda à Constituição (PEC), a reforma precisa do apoio mínimo de três quintos dos deputados (308 dos 513) para ser aprovada e enviada ao Senado.

Leia a recomendação do CNS para interromper a tramitação da reforma da previdência.

 

Fonte: Conselho Nacional de Saúde

Facebooktwitter

Um comentário sobre “Conselho Nacional de Saúde recomenda que Congresso interrompa tramitação da reforma da previdência

  1. Vamos essa conta dos grandes devedores,e políticos que se aposentam com 8 anos de mandato sem nunca ter contribuído

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.