Coluna | Governo Bolsonaro amplia uso territorial dos agrotóxicos no País

Facebooktwitter

Banquetaço na Praça da República em SP.

Foto: Jeferson Santos/ Mídia Ninja

1º/03/2019

 

Petista apresenta projeto que suspende, no Brasil, 60 registros de novos agrotóxicos, muitos banidos na Europa e EUA.

 

 

Por Alexandre Padilha*

O tema da semana é a segurança alimentar no País. Essa foi a semana em que várias capitais, por meio dos movimentos sociais, sindical, da saúde, universidades realizaram os “banquetaços” para denunciar a extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) pelo governo Bolsonaro.

Por conta disso, apresentei uma emenda que extinguiu o Consea, para recuperarmos o conselho. É fundamental um conselho como esse, com participação da sociedade civil, do governo, para discutirmos as políticas públicas em segurança alimentar. Políticas que não se restringem ao combate à fome, mas é fundamental num país que, somente em 2018, voltou a ter mais de 1,8 milhão de pessoas abaixo da linha da miséria, em situação de pobreza, em situação de insegurança alimentar.

Segurança alimentar também significa debatermos alimentação saudável. Apresentei aqui na Câmara dos Deputados um projeto de decreto legislativo (PDL) que suspende todos os registros de novos agrotóxicos feitos pelo governo Bolsonaro, no ano de 2019.

É um absurdo a quantidade, é uma verdeira indústria, uma escalada de registros de agrotóxicos no País. Para se ter uma ideia, tínhamos cerca de 90 agrotóxicos sendo registrados em 2005. No ano de 2015, esse número subiu para 140. No ano passado, durante o governo Temer, foram mais de 400 registros de agrotóxicos. Agora, antes de terminar o segundo mês do governo Bolsonaro, mais de 60 agrotóxicos já foram registrados, muitos deles banidos da Europa, Estados Unidos, Canadá, exatamente pela relação com casos de câncer, pelo ataque ao meio ambiente.

Aliás, uma das questões que tem feito o atual governo é ampliar as culturas onde pode ser utilizado esse agrotóxico, ou seja, elevando ainda mais o impacto e o uso territorial dos agrotóxicos no País.

Alexandre Padilha é médico infectologista, sanitarista, professor universitário e deputado federal eleito (PT-SP). Foi ministro de Assuntos Institucionais do governo Lula, ministro da Saúde do governo Dilma e secretário de Saúde da Prefeitura de São Paulo.

 

Edição: Cecília Figueiredo

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.