Repórter SUS | Ambientes de trabalho contribuem para desenvolvimento de cânceres

Facebooktwitter

A aplicação de agrotóxico e outros produtos químicos é um dos exemplos de risco.

Foto: Arquivo saúde Popular

8/02/2019

 

 

Exposição a agrotóxicos e produtos químicos no ambiente de trabalho são alguns dos fatores de risco, diz pesquisadora

 

 

Por Katia Machado, para Brasil de Fato (RJ)

O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que no ano passado foram registrados quase 600 mil casos de câncer no país. A maior parte corresponde ao sexo masculino, mais de 300 mil casos. Já as mulheres contabilizam 282.450 no número total.

“As principais localizações dos cânceres nos homens são na próstata, cerca de 30%, e o segundo mais importante era o câncer de pulmão, com quase 9%. Já as mulheres, quase 30% correspondem ao câncer de mama, seguido pelo câncer de intestino grosso, perto de 9%”, informa a professora Gina Torres Rego Monteiro, do Programa de Saúde Pública e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (ENSP/Fiocruz).

No Repórter SUS, programa produzido em parceria com a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), a professora e pesquisadora fala sobre o Dia Mundial de Combate ao Câncer, celebrado em 4 de fevereiro.

Gina esclarece que toda doença é uma combinação de fatores genéticos com ambientais. “O tabagismo está associado a vários cânceres: de boca, cordas vocais, laringe, faringe, esôfago, fígado, pâncreas, rins, bexiga, leucemia, colo de útero e, principalmente, ao câncer de pulmão”, detalha.

A mudança de hábitos, na avaliação da professora, é um fator de proteção “para muitos cânceres, não só para o de pulmão”. Segundo Monteiro, a má alimentação, o consumo de álcool e a exposição ocupacional a ambientes cancerígenos (agrotóxicos, produtos químicos etc) contribuem para o desenvolvimento de cânceres. “Considerando que no ambiente de trabalho ocorre maior concentração de agentes cancerígenos do que em outros ambientes”, ressalta.

Como estratégias de prevenção, ela cita desde a remoção da substância ou restrição do uso no ambiente, a redução da jornada de trabalho, até a instalação de filtros industriais para impedir a liberação de resíduos contaminantes.

Vamos ouvir:

 

 

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.