Reeducação alimentar, desafio para 2019

Facebooktwitter

Alimentos in natura contribuem para uma alimentação mais saudável.

Foto: Thiago Gomes / Agência Pará

9/01/2018

Nutricionista explica que o segredo para uma alimentação correta é o equilíbrio

 

 

Por Michele Carvalho, do Brasil de Fato (SP)

Não adianta: fazer dieta ou ter um estilo de vida mais saudável são itens que sempre aparecem nas famosas listas de promessas para o novo ano. Mas, deixar de comer certos tipos de alimentos ou embarcar em regimes que você viu na internet ou na televisão, sem nenhum tipo de acompanhamento profissional, pode trazer mais problemas que satisfação com o corpo e a saúde.

A professora da faculdade de nutrição da Universidade Federal do Pará (UFPA), Vanessa Vieira Lourenço Costa, explica que antes de tudo é preciso buscar o equilíbrio na hora de escolher os pratos que você coloca na mesa diariamente.

“A dieta equilibrada é aquela que tem os macronutrientes, que são as gorduras, os carboidratos e as proteínas. Além dos macronutrientes, existem os micronutrientes, que são as vitaminas e os minerais. Suas principais fontes são as frutas e os vegetais, verduras e legumes. E se você comer esses macro e micronutrientes de uma forma adequada, vai conseguir se alimentar melhor e o seu organismo vai funcionar adequadamente”.

Aí mora o perigo dos regimes restritivos, aqueles que proíbem o consumo de certos tipos de alimentos, como os ricos em carboidrato, por exemplo, que servem para gerar energia ao corpo humano.

Então, o segredo para emagrecer com saúde não é fazer uma dieta atrás da outra, se privando do que você gosta, mas reeducar o jeito como se alimenta. Você pode, sim, comer pão, macarrão, mas de uma forma equilibrada e sempre incluir outros tipos de alimentos nas refeições.

É possível, por exemplo, substituir o arroz e a farinha branca pelas opções integrais, consumir mais alimentos in natura, como as frutas, vegetais, verduras e grãos. No entanto, a nutricionista insiste na busca pelo equilíbrio.

“Tudo em excesso faz mal. Se eu te disser, por exemplo, que as frutas, eu preciso consumir frutas e vegetais, mas se eu comer uma penca de banana, isso vai me causar um transtorno. Então, equilibrar é o melhor caminho, nada em exagero”.

É importante lembrar também que cada organismo é único e tem suas necessidades e características próprias. Vanessa conta que é preciso levar isso em consideração na hora de escolher o cardápio.

“Na verdade, cada indivíduo tem uma necessidade nutricional. Então, eu não posso comer a mesma coisa que um ator da Globo come, eu não posso comer a mesma coisa que uma blogueira come. Eu tenho uma individualidade, ou por que eu sou diabética, ou por que eu sou hipertensa, ou por que eu quero equilibrar o meu corpo e fazer com que eu tenha uma longevidade melhor, uma melhor qualidade de vida”.

 

Edição: Guilherme Henrique

Facebooktwitter

Um comentário sobre “Reeducação alimentar, desafio para 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.