Agência Sanitária francesa encontra substâncias tóxicas em fraldas descartáveis

Facebooktwitter

Foto: Pixabay

24/01/2019

 

Glifosato, o agrotóxico mais usado no mundo e apontado como causador de câncer, foi encontrado em amostras de 23 marcas analisadas

 

Por Redação*

A Agência Nacional de Segurança Sanitária da Alimentação, do Meio Ambiente e do Trabalho (Anses) da França aponta a presença de substâncias tóxicas em fraldas descartáveis para bebês. A informação consta de relatório publicado, na última quarta-feira (23).

Entre as substâncias está o glifosato, um dos agrotóxicos mais usados no mundo, fabricado pela Monsanto, que está relacionado a casos de câncer. Segundo o estudo, em diversos casos, os componentes químicos ultrapassam os limites máximos autorizados na fabricação de um produto para um público tão sensível quanto os bebês.

Contato com a pele do bebê

Além do glifosato, foram encontrados desreguladores hormonais e resíduos químicos que podem estar na origem de distúrbios no sistema reprodutivo e até na formação de câncer. De acordo com o jornal “Le Monde” 60 substâncias tóxicas foram identificadas. Muitos desses produtos estão presentes nas matérias-primas utilizadas na produção, ou ainda por resultarem do processo produtivo em si, como o PCB-DL (um derivado do cloro), furanos (altamente inflamáveis e tóxicos), dioxinas, potencialmente cancerígenas, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), ou ainda hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAP), resultado da combustão a altas temperaturas e que são habitualmente encontrados na fumaça do cigarro ou na queima de diesel.

No total, 23 marcas foram analisadas, entre 2016 e 2018, e “em condições reais de uso”. O relatório não cita nenhuma marca especificamente. O texto explica que, na presença de urina, os químicos “entram em contato direto e prolongado com a pele dos bebês”.

Recomendação

Diante dos riscos dos elementos químicos, a Anses recomenda aos fabricantes “reduzir ou eliminar ao máximo a presença” deles nas fraldas descartáveis, além de pedir mais fiscalização dos produtos disponíveis no mercado.

O alerta é preocupante já que, em média, um bebê francês usa 4 mil fraldas nos primeiros três anos de vida. Um recém-nascido tem as fraldas trocadas cerca de oito vezes por dia. O uso de fraldas laváveis de tecido é considerado mais seguro para a saúde do bebê, mas atualmente apenas 5% deles utilizam essa alternativa ao modelo descartável.

Edição: Cecília Figueiredo

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.