Você sabe como o Buriti e o Tucumã podem ajudar na sua alimentação?

Facebooktwitter

O buriti pode ser consumido ao natural, com farinha, ou usado para fazer doces, geleias, sorvetes e vinhos.

Foto: Divulgação

23/12/2018

 

Desconhecidos por grande parte dos brasileiros, frutos são ricos em Vitamina A, B e Ômega 3

 

 

Por Guilherme Henrique, do Brasil de Fato (SP)

Não é grande o número de pessoas que, aqui em São Paulo, sabem o que é o Buriti ou a Tucumã.

Encontrar alguém que saiba manusear esses dois alimentos, então, é ainda mais difícil.

Mas, em alguns estados brasileiros, essas duas frutas possuem ações diversas no dia-dia da população, compondo a base alimentar e aumentando a diversidade de produtos dispostos à mesa.

O desconhecimento sobre o que se produz faz com que outras regiões do país, como a Sudeste, permaneça alheia às outras formas de alimentação.

Outro ponto importante é a influência da gastronomia estrangeira, a exemplo da italiana e japonesa.

Tainá Marajoara, dona do Restaurante Iaci Tatá e propagadora da cultura alimentar brasileira, afirma que esse desconhecimento gera uma insegurança alimentar.

“Esse desconhecimento sobre o que é produzido em nossas matas nativas e a desconsideração do conhecimento tradicional como ciência alimentar, faz com que a gente tenha uma insegurança, que é reflexo da perda dessa sabedoria tradicional”, afirma.

O Buriti tem cerca de dois centímetros e com atuação variada. O fruto pode ser consumido ao natural, com farinha, ou usado para fazer doces, geleias, sorvetes e vinhos.

Além disso, um óleo presente na polpa do buriti apresenta características de aroma e sabor, sendo utilizado com frequência na indústria farmacêutica.

Segundo Tainá Marajoara, “o Buriti é um fruto que pode ser aproveitado em todas as suas partes. Ele é um dos frutos que mais possui betacaroteno e vitamina A. Ele é uma palmeira típica da região amazônica, que tem cachos rendosos. Onde há buriti, significa que a água está boa para consumo”, revela.

Já o Tucumã possui vitaminas A, B1 e C em grande quantidade, além de ser rica em Ômega 3 e possuir um antioxidante responsável por prevenir o envelhecimento precoce e fortalecer o sistema imunológico.

“O Tucumã chega a ter 90 vezes mais em vitamina A do que o abacate, por exemplo. Ele supre a necessidade diária de um adulto e 3 vezes a necessidade de uma criança cada frutinha do Tucumã. São 30 gramas de fruto, mas com um poder imenso”, finaliza Tainá Marajoara.

Além do Buriti e da Tucumã, outras centenas de frutas e plantas seguem marginalizadas na culinária brasileira, sobretudo nas regiões urbanas.

Então a dica é: saia da zona de conforto e procure saber mais sobre os alimentos nativos e originados do Brasil. Tem muita coisa boa escondida por aí.

Edição: Julia Rhoden

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.