Repórter SUS | Educação popular na Saúde

Facebooktwitter

Curso de aperfeiçoamento em Educação Popular no SUS, realizado no Maranhão, em 2017. Espaço valoriza o conhecimento popular das comunidades

Foto: Francisco Campos / Governo Maranhão

10/12/2018

 

 

Reconhecimento do saber popular gera maior envolvimento da comunidade e mudança nos resultados

 

 

Por Ana Paula Evangelista, para Brasil de Fato (RJ)

Como qualificar a Atenção Primária à Saúde, garantir a integralidade, um dos princípios estruturantes do Sistema Único de Saúde (SUS), para potencializar o cuidado, a promoção de saúde das populações?

Quem responde ao Repórter SUS dessa semana, produzido em parceria com a Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fundação Oswaldo Cruz (EPSJV/Fiocruz), é Eymard Mourão Vasconcelos, professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e coordenador da Rede de Educação Popular e Saúde (Rede Pop).

Vasconcelos fala sobre a influência do educador Paulo Freire na saúde pública, a educação popular para qualificação dos cuidados, por meio da valorização dos saberes e práticas populares. Segundo o coordenador da Rede de Educação Popular e Saúde, essa valorização gera práticas completamente diferentes da prescrição tradicional do médico para o paciente.

“Nós, profissionais de saúde, temos uma tendência de ficar mandando as pessoas fazerem as coisas. Uma educação normativa, como se a gente soubesse e as pessoas não. Isso é totalmente improdutivo. Todo mundo já tem lutas por saúde na sua família e na sua comunidade”, diz o professor universitário.

+ Leia também: Terapia criada no CE prioriza vínculo comunitário e vivência pessoal

Para o coordenador da Rede Pop quando se considera o conhecimento popular das comunidades, as peculiaridades regionais e socioculturais, há um maior envolvimento da comunidade com a saúde e uma “mudança impressionante nos resultados”.

“Nós médicos queremos ensinar [tudo] para as pessoas e as pessoas têm seu jeito de lidar com as doenças. Na hora que você [proporciona a] conversa, e elas começam a contar o jeito de lidar com a diabetes, por exemplo, elas vão trazendo coisas e ajudando. Aquela pessoa que era resistente, não queria nada com [tratamento] saúde, vai se entusiasmando”, pontua.

Segundo o sanitarista, essa é a grande contribuição da educação popular, transformar a relação, o olhar que está impregnado nos profissionais de saúde. “De que a população é uma massa de ignorantes, apática, que não quer nada, é preguiçosa. As pessoas querem ajuda, mas não aceitam humilhação”.

Na opinião do estudioso, a “construção compartilhada da solução necessária” entre profissional de saúde e população é o que diferencia a Atenção Primária brasileira da de outros países.  “Muitos sanitaristas de outros países, como países da Europa – que já tem atenção primária mais organizada – quando chegam ao Brasil e veem algumas dessas práticas ficam admirados”.

Confira a entrevista:

 

Edição: Cecília Figueiredo

 

 

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.