Mais Médicos: 30% dos inscritos ainda não se apresentaram nos municípios

Facebooktwitter

Foto: Ministério da Saúde

17/12/2018

Após prazo prorrogado, um terço dos selecionados não se apresenta e outros 30% abandonam Saúde da Família para aderir ao Mais Médicos

 

Por Redação*
Apesar da prorrogação de prazo para inscrições estendido até domingo (16), segundo o Ministério da Saúde até a manhã desta segunda (17), 5.935 (cerca de 70,5%) dos 8.411 profissionais inscritos na primeira fase de seleção do programa Mais Médicos haviam comparecido aos municípios escolhidos para trabalhar. O balanço da última sexta (14), divulgado pelo Ministério da Saúde, registrou 5.891 inscritos que se apresentaram.

Diante da vacância que ainda há nos postos de trabalho deixados pelos médicos cubanos, correspondente a 2.476 inscritos (cerca de 30% do total de selecionados) têm até terça (18) para se apresentarem às prefeituras.

Das 8.517 vagas oferecidas no primeiro edital, 106 que não foram preenchidas tem em sua maioria os distritos indígenas. As inscrições para o programa foram abertas no dia 20 de novembro, após Cuba ter se retirado do programa federal em 14 de novembro, em razão das declarações  “depreciativas e ameaçadoras” feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro.

Formados no exterior
Mais 10.205 profissionais médicos brasileiros ou estrangeiros formados no exterior completaram a inscrição de participação no Programa Mais Médicos, segundo a pasta. O prazo para envio de documentos no site do programa terminou no domingo (16).

Até quarta (19), o Ministério da Saúde promete divulgar um balanço das vagas disponíveis. A partir do dia 20, os médicos com CRM no Brasil poderão escolher municípios onde querem trabalhar.

 

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.