“De mãos dadas, vamos conseguir superar as adversidades”, diz novo presidente do CNS

Facebooktwitter

Foto: CNS

18/12/2018

Fernando Pigatto, formado em gestão ambiental, já foi agricultor e iniciou sua atuação social nas CEBs

 

Por Redação*

Fernando Zasso Pigatto, 47 anos, é o novo presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS). Indicado pela Confederação Nacional das Associações de Moradores (Conam), entidade a qual representa, Pigatto foi eleito na sexta-feira (14) para mandato até 2021.

“O papel do controle social no Brasil nunca foi fácil. De mãos dadas, vamos conseguir superar as adversidades. O funcionamento do CNS é essencial para a democracia e tem que continuar existindo plenamente, dialogando com a gestão, mas também cobrando a execução das políticas de saúde”, disse o novo presidente, que é gaúcho de Júlio de Castilhos e residente em Rosário do Sul, casado com Marla Salin Pigatto e pai de Cassiano (22) e Vitor (16).

Formado em Gestão Ambiental pela Universidade Norte do Paraná (Unopar), Pigatto trabalhou na agricultura quando jovem, depois tornou-se comunicador no Jornal Gazeta de Rosário, foi chefe de gabinete da Prefeitura Municipal de Santa Maria, em 2001, assessor no Projeto Consórcio Social da Juventude do Programa Primeiro Emprego do Governo Federal na região metropolitana de Porto Alegre, de 2005 a 2006, e assessor parlamentar na Câmara dos Deputados e Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

Sua atuação social na década de 1980 foi iniciada em grupos de jovens da Pastoral da Juventude e Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Igreja Católica. Na década de 1990, assumiu direção em entidades do movimento estudantil secundarista e universitário e em Associação de Produtores Rurais da Agricultura Familiar. Nos anos 2000, iniciou participação no movimento comunitário, sendo presidente da Associação de Moradores do Bairro Primavera e Secretário Geral da União de Vilas e Bairros (UVB) de Rosário do Sul.

Como dirigente estadual no Rio Grande do Sul, passou por diversas funções e atualmente é presidente da Federação Gaúcha das Uniões de Associações de Moradores e Entidades Comunitárias (FEGAMEC). Como dirigente nacional, Pigatto foi diretor de Planejamento, secretário-geral e atualmente é diretor de Saúde da Conam.

No controle social, participou de conferências, seminários, congressos, simpósios, jornadas, assembleias, grupos de trabalho, câmaras técnicas, comissões e conselhos, como o Conselho Nacional das Cidades (na Câmara Técnica de Saneamento Ambiental). No CNS, foi coordenador da Comissão Intersetorial de Vigilância em Saúde, responsável pela coordenação da 1ª Conferência Nacional de Vigilância em Saúde e pela aprovação da Política Nacional de Vigilância em Saúde (PNVS).

Mesa diretora

A mesa diretora do CNS, de composição tripartite – usuários, trabalhadores e gestores -, foi escolhida pelo pleno junto ao novo presidente. Ela é responsável por conduzir as ações e decisões do órgão colegiado, orientando politicamente a presidência e com o compromisso de representar o coletivo.

Usuários

  • André Luiz – Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
  • Moysés Toniolo – Articulação Nacional da Aids (Anaids)
  • Vanja Andréia – União Brasileira de Mulheres (UBM)

Profissionais de Saúde

  • Elaine Junger Pelaez – Conselho Federal de Serviço Social (CFESS)
  • Priscilla Viegas – Associação Brasileira dos Terapeutas Ocupacionais (Abrato)

Gestores

  • Jurandir Frutuoso – Conselho Nacional de Secrários de Saúde (Conass)
  • Neilton Araújo – Ministério da Saúde (MS)

Confira a nova composição completa do CNS

 

* Com informações do CNS

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.