Manifestações do 24º Grito dos Excluídos denunciarão o desmonte do SUS

Facebooktwitter

Presidente do Conselho Nacional de Saúde defende o fortalecimento da luta em defesa da democracia, da saúde e de uma sociedade menos desigual

Foto: Arte do 24º Grito dos Excluídos

5/09/2018

 

Tema central da programação é “Vida em primeiro lugar” e conta com apoio do Conselho Nacional de Saúde

 

Por Redação*

“É fundamental somar nossos esforços e fortalecer a luta em defesa da democracia, da saúde e de uma sociedade menos desigual”, afirma o presidente do Conselho, Ronald dos Santos, ao convocar a população para participar das manifestações do 24º Grito dos Excluídos, que será realizada no dia 7 de setembro, tradicional Dia da Independência.

A programação, que reúne atos realizados por movimentos sociais em todo o Brasil, tem como tema central “Vida em primeiro lugar” e o lema: “A desigualdade gera violência: chega de privilégios” e conta com o apoio do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Com o objetivo de ocupar os espaços públicos e exigir do Estado a garantia do acesso e a universalização de direitos básicos, como educação, saúde, segurança, transporte, alimentação saudável, saneamento básico e moradia, Ronald reforça a importância da participação.

“Precisamos também de ampla participação dos conselhos estaduais e municipais de saúde nesta edição do Grito dos Excluídos, que também denuncia o desmonte do SUS”, completa.

Em julho, o CNS se reuniu com a coordenação do Grito dos Excluídos no 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva (Abrascão), no Rio de Janeiro. O encontrou contou com a participação de conselheiros de saúde e diversos atores sociais em defesa do SUS, que se uniram para a mobilização da 16ª Conferência Nacional de Saúde (8ª + 8), previsto para julho de 2019.

A 16ª conferência tem como eixos temáticos Saúde como Direito, Consolidação do SUS e Financiamento Adequado. Ela também chamada de 8ª + 8 como um resgate à memória da 8ª Conferência Nacional de Saúde, realizada em 1986, considerada histórica por ter sido um marco para a democracia participativa e para a criação do SUS.

Histórico do Grito

A manifestação popular foi idealizado em 1994, em decorrência da 2ª Semana Social Brasileira, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que tinha como tema “Brasil, alternativas e protagonistas”, inspirado na Campanha da Fraternidade de 1995, e lema: A fraternidade e os excluídos.

O primeiro Grito dos Excluídos, realizado em 1995, com representantes da igreja, movimentos sociais e sindicais, acontece sempre no dia 7 de setembro, como um contraponto ao Grito da Independência. Espaço aberto para denúncias sobre as mais variadas formas de exclusão, o Grito dos Excluídos surgiu com a finalidade de defender a vida dos excluídos e excluídas e assegurar os seus direitos e vozes.

Em São Paulo, atos do Grito dos Excluídos iniciam na manhã do dia 7 de setembro

Pernambuco | 24ª Grito dos Excluídos levanta temas como desigualdade e violência

 

* Com informações do Conselho Nacional de Saúde (CNS) e Gritos dos Excluídos

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.