“Grande parte da história e memória da ciência brasileira ardeu no domingo”, diz Maria José Veloso Santos

Facebooktwitter

Maria José vestiu a camisa do Museu para registrar esta entrevista Abrasco

Foto: Abrasco

5/09/2018

Bibliotecária do Museu conta que sua tese de doutorado nasceu do trabalho científico ‘Adolpho Lutz e a Medicina Tropical no Brasil’, devorado pelo fogo

 

Por Vilma Reis, da Abrasco

A atividade de memória do Museu Nacional estava representada no seu acervo em diversas formas: documentos de arquivo, material científico (exemplares representativos da biodiversidade de nosso país, fósseis, objetos etnográficos e arqueológicos), trabalhos acadêmicos (livros, artigos de periódicos e jornais entre outros), e era através desse manancial de fontes que a instituição garantia sua continuidade histórica, parte da memória nacional.

Os documentos de um arquivo representam o produto da atividade de uma instituição ou de uma pessoa e é através deles que a humanidade garante a sua continuidade histórica. Mas tudo isso mudou na noite de domingo, 2 de setembro.

Sobre a perda irreparável dos documentos que registravam os primórdios do trabalho científico no Brasil e as alterações que a nossa ciência processou no cenário internacional, a Abrasco conversou com Maria José Veloso da Costa Santos, Bibliotecária Documentalista do Museu Nacional e professora na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

“Comecei a trabalhar no Museu Nacional em 1975, foi meu primeiro emprego. Trabalhava na Biblioteca que funcionava no terceiro pavimento e em 1994 iniciei minha gestão na preservação da memória do Museu. Eu e outros colegas fundamos uma seção a que chamamos Seção de Memória e Arquivo do Museu Nacional – SEMEAR e nosso lema virou semear informação para colher conhecimento – lá estava toda a história da ciência brasileira”, diz Maria José.

A pesquisadora enumerou ainda parte da riqueza do acervo que ardeu na noite do domingo: muitas cadernetas de anotações dos naturalistas que fizeram viagens pelo interior do Brasil; os cadernos de anotações da Imperatriz Leopoldina, uma mulher apaixonada por botânica e mineralogia, os documentos de José Bonifácio de Andrada e Silva – o nosso primeiro geólogo. Além dos arquivos fotográficos, desenhos e pinturas. Esta seção ficava no terceiro andar, com dezenas de estantes deslizantes cheias de documentos científicos históricos, estudantes faziam ali suas pesquisas para inúmeras teses de mestrado e doutorado sobre a ciência no Brasil – inclusive a tese de doutorado de Maria José nasceu dali ‘Adolpho Lutz e a Medicina Tropical no Brasil: análise bibliométrica de cartas como gênero do discurso científico’.

“Eu e todos os meus colegas estamos atónitos… Uma colega foi de madrugada lá e eu perguntei hoje de manhã ‘e as estantes deslizantes? E a documentação? Só ficaram as paredes, Mazé’ me respondeu. Atualmente a seção é coordenada pela Maria das Graças Freitas Souza Filho que junto comigo elaborava um projeto para digitalizar todo o acervo, estávamos avaliando quantos terabytes utilizaríamos: nada poderá ser preservado. Tudo queimou. É com grande pesar que eu falo pra você: a minha vida profissional queimou, a documentação queimou, queimaram inclusive nossos pedidos de socorro”, registra Maria José que aguarda em casa a liberação do Corpo de Bombeiros para ver o que sobrou da sala onde ela trabalhava.

A Defesa Civil interditou prédio do Museu Nacional por tempo indeterminado e a Polícia Federal assumiu a investigação sobre o incêndio.

A interpretação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) sobre a lei eleitoral impediu a liberação dos recursos que foram autorizados em junho para o Museu. O contrato, assinado durante as comemorações de 200 anos da instituição, previa a destinação de R$ 21,7 milhões para a terceira fase do plano de investimento de revitalização do museu. O diretor do Museu Nacional Alexander Kellner foi recebido na segunda-feira (3) pelo Ministério da Educação, que afinal liberou R$ 10 milhões. O último presidente a visitar o Museu Nacional foi Juscelino Kubitschek, em 1958.

 

Edição: Cecília Figueiredo

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.