Rotulagem nutricional: Anvisa apoia o modelo de advertência como o mais eficiente

Facebooktwitter

Campanha Rotulagem Nutricional Adequada Já!

Imagem: Abrasco

30/05/2018

Proposta do Idec/UFPR, contendo alertas na parte frontal da embalagem, deve auxiliar consumidores a fazer escolhas alimentares mais saudáveis

 

Por Redação, com informações da Abrasco e Anvisa

 

Jarbas Barbosa, diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), afirma que o modelo de rotulagem nutricional apresentado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) é o mais eficiente. 

A Abrasco, junto com demais entidades que compõem a Aliança pela Alimentação Adequada e Saudável, apoia o modelo de advertência.

Os modelos de rotulagem nutricional contendo alertas na parte frontal das embalagens são os mais eficientes e os mais adotados internacionalmente, pois apresenta relação custo-benefício favorável para auxiliar os consumidores a fazer escolhas alimentares mais saudáveis e estimular os fabricantes a reformular seus produtos. A afirmação foi feita pelo diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Jarbas Barbosa, que participou nesta segunda-feira (28) de reunião da Diretoria Colegiada (DICOL) da agência, onde foi discutido o Relatório Preliminar da Análise de Impacto Regulatório (AIR) de Rotulagem Nutricional de Alimentos.

A reunião teve início com Barbosa lendo o resumo do documento elaborado pela agência, que apresentou as opções que serão consideradas na consulta pública técnica. Entre elas destaca-se a proposta em formato de triângulos, apresentada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Além do modelo proposto pelo Idec/UFPR, outros quatro modelos de rotulagem frontal estão sendo avaliados, entre eles o da indústria alimentícia, que consiste num semáforo nutricional sinalizando os produtos com risco alto, médio ou baixo, por cores como as do sinal de trânsito.

A nutricionista do Idec, Ana Paula Bortoletto, justifica que o modelo que utiliza alertas na frente das embalagens, como o proposto pelo Idec/UFPR, em formato de triângulos “tem a vantagem de apresentar evidências científicas favoráveis para a população brasileira”.

População é consultada

A Anvisa também abriu um modelo de consulta pública sobre o tema rotulagem nutricional de alimentos. A proposta foi elogiada pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), organismo da ONU que defende que os países adotem advertências frontais em embalagens, com indicações sobre excesso de gorduras, açúcares e sódio.

O objetivo da pesquisa, Tomada Pública de Subsídios (TPS) para Rotulagem Nutricional de Alimentos, é receber da população informações e evidências a respeito de um relatório preliminar da entidade sobre o tema para, posteriormente, apresentar mudanças obrigatórias na forma de leitura e aviso dos ingredientes de alimentos e bebidas.

Para a Opas, esse é mais um passo em direção à melhoria da informação nutricional dos rótulos de alimentos no país. Quem quiser participar da consulta pública, que receberá contribuições até 9 de julho, deve acessar o site da Anvisa.

+Posicionamento da Abrasco sobre a proposta de rotulagem nutricional

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.