Perfil | Maria Lima oferece remédios naturais para quem está acampado em Curitiba

Facebooktwitter

Neta de benzedeira, Maria conta que sempre teve uma ligação com as terapias alternativas e através de cursos do MST pode se especializar
Imagem: Matheus Lobo
13/04/18

Moradora do Assentamento Contestado, na Lapa (PR), veio para a capital prestar solidariedade ao ex-presidente

Júlia Rohden, do Brasil de Fato

Maria Natividade de Lima é moradora do Assentamento Contestado, localizado no município da Lapa, cerca de 70 km da capital Curitiba. Desde sábado (7) pela manhã, a casa de Maria virou outra. Ela agora está acampada no bairro Santa Cândida, na capital, a cerca de duas quadras da Superintendência da Polícia Federal, onde o ex-presidente Lula está preso.

Ela integra a equipe de Terapia Natural Popular e está oferecendo gratuitamente massagens e remédios fitoterápicos para os participantes do Acampamento Lula Livre. “É tudo natural, para ajudar a amenizar nosso povo quando fica cansado ou doente”, conta.

Neta de benzedeira, Maria conta que sempre teve uma ligação com as terapias alternativas, mas foi através do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que pode participar de cursos como bioenergia e auriculoterapia. “A proposta nossa, do MST, é trabalhar com terapias naturais junto com a agroecologia, que é a produção de alimentos sem uso de agrotóxico. Porque, na verdade, o primeiro remédio é a alimentação sem veneno”, afirma. Aos 65 anos, ela revela que há duas décadas se trata apenas com a medicina alternativa, mas respeita quem prefere usar os remédios convencionais.

Para ela, o ex-presidente Lula está sendo injustiçado, já que não há provas de crime. “Viemos em solidariedade a ele e queremos o Lula livre. Não tem jeito de ser diferente, o povo brasileiro precisa dessa libertação”, afirma.

Edição: Ednubia Ghisi

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.