Justiça determina que atendimento psicoterápico fornecido por planos de saúde deve ser ilimitado

Facebooktwitter

Imagem: Divulgação

11/07/2017

Em resolução antiga, convênios eram obrigados a fornecer apenas 18 sessões de terapia anuais para seus usuários

Por Redação*, do Saúde Popular

Por decisão judicial, os planos de saúde não podem mais limitar o número psicoterápicas a seus usuários. A ação, que partiu do Ministério Público Federal (MPF), anula parte da norma da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que estabelecia a obrigatoriedade de o convênio arcar com, no máximo, 18 atendimentos anuais ao usuário de seu sistema.

Agora, no que diz respeito ao tratamento de síndromes e transtornos psicológicos, a cobertura dos planos de saúde deverá atender ao número de sessões prescritas pelo profissional de saúde responsável pelo paciente.

A decisão, sentenciada em maio, mas informada ao Ministério Público apenas em fins de junho, foi assinada pelo juiz federal Djalma Moreira Gomes, da 25° Vara Civil e é resultado de uma Ação Civil Pública (ACP) movida pelo procurador da República Luiz Costa, do MPF. A ação buscava a o reconhecimento judicial da ilegalidade do limite imposto pela resolução da ANS.

De acordo com o Ministério Público, ao indicar um número exato de sessões por ano, “a ANS extrapolou seu poder regulatório e manteve em vigência uma resolução que vai além do que a legislação permite.”

Na sentença, o magistrado argumentou que “a ANS, ao limitar o número de sessões de psicologia, criou norma abusiva e prejudicial ao consumidor”. Isso porque, ainda de acordo com o juiz, a resolução de um número máximo de sessões obrigatórias “chancelava a conduta das operadoras de saúde em não arcar com número superior de sessões ainda que haja necessidade comprovada.”

(*) Com informações da Agência Brasil.

 

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.