64% dos brasileiros consideram o aborto uma decisão exclusiva da mulher

Facebooktwitter

Na contramão da opinião da maioria dos brasileiros, nota técnica do Planalto afirmou que a vida do nascituro deve “prevalecer sobre os desejos das gestantes”

05/04/2017

por Redação do Saúde Popular

 Uma pesquisa sobre o aborto, divulgada ontem (4/4), revelou que 64% brasileiros defendem que a interrupção da gravidez deve ser uma escolha exclusiva da própria mulher. O levantamento, realizado pelo IBOPE Inteligência, em parceria com o grupo Católicas pelo Direito de Decidir (CDD), mostra também que 9% da população acreditam que a decisão deve ser dos maridos/parceiros, 6% o Judiciário, 4% da igreja, 1% da Presidência da República e 1% do Congresso Nacional.  Na pesquisa, foram entrevistados 2 mil brasileiros, entre homens e mulheres, de 16 a 65 anos ou mais, de 143 municípios do Brasil.

A matéria, produzida pelo Correio Braziliense, traz ainda atualizações do projeto que tramita atualmente no STF. No último 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o PSOL e o Instituto Anis protocolaram uma ação de descumprimento de preceitos fundamentais (ADPF) no Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar descriminalizar o aborto até a 12ª semana de gestação, em qualquer situação.

Relatora do caso, a ministra Rosa Weber, deu cinco dias de prazo para o presidente não eleito, Michel Temer, se manifestar na ação que pretende ampliar a legalidade do aborto. O mesmo prazo foi dado para que o Senado e a Câmara dos Deputados se manifestem.

Segundo o Correio, no último domingo (2/4), a ministra Grace Mendonça (AGU) confirmou ter recebido a nota técnica do Palácio do Planalto com posicionamento contrário à liberação do aborto. No texto, o governo afirma que “a vida do nascituro deve prevalecer sobre os desejos das gestantes”. O Senado e a Câmara dos Deputados ainda não se manifestaram.

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.