“Mulheres das águas” revela luta das pescadoras nos manguezais do Nordeste do Brasil

Facebooktwitter

Dirigido por Beto Novaes, documentário destaca o engajamento e a resistência de mulheres ribeirinhas na busca pela sobrevivência por meio da pesca 

17/03/2017

 
 por Redação do Saúde Popular

Dirigido e roteirizado por Beto Novaes, o documentário  “Mulheres das águas”realizado pela Fiocruz e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), traz 14 mulheres ribeirinhas de diferentes comunidades que relatam como sobrevivem atualmente da pesca artesanal. Elas revelam aspectos das relações que estabelecem com o mar, os rios, as comunidades e entre elas mesmas. “Quando falo que o mar é terapia é porque eu nasci lá, é o som dele que me faz dormir e refletir”, diz Regina Menezes, uma das entrevistadas.

Os desafios apresentados ali perpassam a sobrevivência das famílias dessas mulheres  que são sustentadas por meio da pesca; a ameaça à comunidade causada pela poluição de grandes indústrias e o turismo predatório que trazem danos ao ecossistema, entre outros.

As personagens são da Ilha da Maré, Salinas das Margaridas, Tapeorá, Salvador – todos municípios da Bahia – e das cidades pernambucanas de Goiana e Surinhaém.

O documentário destaca ainda o engajamento e a resistência dessas mulheres em busca da preservação e demarcação dos territórios pesqueiros, manutenção e ampliação dos seus direitos sociais, inclusive o direito à aposentadoria e melhoria das condições de trabalho e da saúde sem perder autonomia. “Eu não tenho patrão, é o mar que determina a hora que eu vou, a hora que devo voltar”, afirma Eliete Paraguaçu.

Conheça todas as entrevistas:

Ilha da Maré/BA:Eliete Paraguaçu e Marselha Lopes.

Salinas da Margarida/BA: Elionice Sacramento, Ednalva Reis e Sandra Teixeira.

Salvador/BA: Daiana Ferreira e Regina Menezes.

Taperoá/BA: Ana Rita lopes.

Goiana/PE: Lindinalva Severiano de Souza, Maria Angela da Fonseca, Miriam Francisca Silva.

Sirinhaém/PE: Ana Sueli Correia, Angela Maria dos S. de Santana e Maria Jose de Paula.

Veja o vídeo na íntegra.

 
Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.