Cuba oferece mil bolsas de estudo de medicina para FARC e governo da Colômbia

Facebooktwitter

Bolsas já começam a valer em 2017, estudos podem ser iniciados em setembro e programa vai durar cinco anos

17/03/2017

por Opera Mundi

O embaixador de Cuba na Colômbia, José Luis Ponce Caraballo, ofereceu, em nome do governo do país caribenho, mil bolsas de estudo de medicina para membros das FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e para o governo do país sul-americano.

As bolsas serão distribuídas no período de cinco anos, de 200 em 200. Metade delas irá para as FARC; a outra será concedida ao governo colombiano. Os selecionados já poderão iniciar os estudos no período escolar 2017-2018, que se inicia em setembro. A ilha é reconhecida internacionalmente pela excelência na medicina.

A oferta será apresentada oficialmente ao governo de Juan Manuel Santos e às lideranças da FARC em breve. As bolsas vêm no marco do acordo de paz no país, do qual os cubanos foram agentes importantes – o pacto foi celebrado em Havana.

Iván Márquez, chefe de delegação das FARC nas negociações do acordo, comemorou a iniciativa cubana. “Ao general-de-exército Raúl Castro [presidente de Cuba], nossa gratidão por encher a Colômbia com seu amor e solidariedade. Ajuda a paz e nos oferece médicos. A contribuição de Cuba ao processo de implementação do Acordo de Havana e ao pós-conflito na Colômbia é um gesto de pura humanidade”, afirmou, pelo Twitter.

Segundo o jornal colombiano El Espectador, os cursos de medicina no país estão entre os mais caros do ensino superior. Só na Universidade de Los Andes, uma das mais importantes do país, só a matrícula custa em torno de R$ 21 mil.

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.