Os exames de Marisa Letícia e a crise da medicina brasileira

Facebooktwitter

04/02/2017

Em nota, médicos populares chamam atenção para a necessidade de repensar a formação médica no Brasil

Da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares

 

“Tem que romper no procedimento.
Daí já abre pupila. E o capeta abraça ela”

A frase acima foi veiculada em matéria do jornal O Globo, dita por um médico em um grupo de WhatsApp ao receber as tomografias vazadas de Marisa Letícia Lula da Silva. O fato de que estes exames tenham vazado já causa revolta. Ler o comentário do “colega” deixaria qualquer um estupefato. Entretanto, para muitos médicos e estudantes de medicina no Brasil tais fatos não se constituem novidade, e eles já existiam bem antes da polarização política que o país vive hoje.

Na trajetória da formação de um médico no Brasil, vamos sendo submetidos aos poucos, em doses homeopáticas, a abusos e absurdos. Seja em um ambulatório de Ginecologia na Faculdade onde dez estudantes fazem o toque vaginal na mesma paciente – é para que eles aprendam, diz o professor à paciente. Seja em um plantão de pronto-socorro onde se aprende a tratar os pacientes de um jeito e os “bandidos” de outro: sem analgésicos, tratados sem o mínimo de empatia e manejados com força desproporcional, como se aqueles que estão ali para cuidar da vida humana quisessem sentir o gosto de “revidar” o mal que supostamente fez o cidadão.

Aprendemos a aceitar que receber trotes violentos “faz parte”, pelo simples fato de que nos próximos 5 anos poderemos “descontar” nos próximos calouros. Aprendemos que fazer plantões ilegais em pequenas cidades no interior, nos passando por médicos, não tem problema, afinal, se não fossem estes cidadãos altruístas, quem atenderia os pobres coitados?1 Aprendemos a ficar calados com os abusos que passamos na Residência médica, desde cargas horárias excessivas até assédio moral dos preceptores. Aprendemos a ouvir calados os impropérios de chefes dos serviços em nome de manter um bom ambiente de trabalho. Tudo isso para “engrossar a casca”, dizem. Com todo esse aprendizado, nos parece que a resiliência é a maior habilidade desenvolvida pela nossa categoria, afinal, se formam muitos médicos e médicas éticos, humanos e comprometidos com a vida.

O episódio do vazamento dos exames da ex-primeira-dama traz à tona essas questões. As tomografias de Marisa Letícia percorreram vários grupos de WhatsApp, de São Paulo para todo o país, e foram recebidas da forma mais natural possível, como se fosse algo corriqueiro receber no celular exames de um paciente que não está sob seus cuidados. Discutir casos com a equipe do próprio hospital nesses grupos, no qual todos são obrigados ao sigilo médico e com o intuito de elucidar diagnósticos, é uma coisa. Mas, neste caso, a quebra do sigilo médico foi notória. O pior é que alguns dos que vazaram o exame não o fizeram com o intuito de discutir um caso clínico, mas sim para tripudiar em cima do sofrimento humano. Não há polarização política que justifique atos como este.

Nestes momentos, nossa categoria fica exposta, na berlinda, com nossos pacientes se perguntando: “Será que isto acontece comigo?”. De forma absolutamente estarrecedora, nos deparamos com comentários de indivíduos que nunca deveriam ter se formado médicos, que não possuem o mínimo de humanidade e ética. Infelizmente é preciso lembrar que há mais destes prestes a se formar, e que é preciso fazer alguma coisa, em nome daqueles que exercem a medicina de forma digna e principalmente em nome de nossos pacientes.

Diante desta crise, a Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares reforça a necessidade de que a sociedade se envolva na discussão dos médicos e médicas que nossos cursos estão formando. Nós, médicos e médicas, somos formados para servir à sociedade brasileira e é com ela que devemos discutir qual profissional devemos formar, com conteúdos éticos e humanistas indissociáveis da boa prática clínica.

Facebooktwitter

38 comentários sobre “Os exames de Marisa Letícia e a crise da medicina brasileira

  1. A formação dos profissionais da área da saúde tem deixado muito a desejar nos últimos tempos… Se não cuidarmos em interpretar esses sinais com muita urgência, não sabemos o que vai ser das nossas futuras gerações…Quem vai cuidar dos nossos descendentes…
    Em uma rápida análise, se observa que na graduação, as disciplinas de cunho social são encaradas como “dispensáveis” e não são valorizadas pela maioria dos alunos desta “casta superior” e muitas vezes pelos próprios docentes.
    Até no ensino médio não será mais necessária a aprendizagem de alguns destes conteúdos.
    Aonde os futuros profissionais da saúde irão aprender sobre alteridade, cidadania, solidariedade, humanidade, humanismo, ética e compaixão?…
    A minha preocupação se avoluma, cada dia, também, com a formação dos próprios docentes.
    As maioria das pós graduações Strictu Sensu (mestrados e doutorados) não oferecem reflexões que suscitem sentimentos de compaixão e respeito pelo ser humano, mas, sim como ganhar mais e mais dinheiro com a sua profissão e as especialidades que sejam mais rentáveis…
    Fatos como este de banalizar o sofrimento e a vida do outro se repetem com frequência nos hospitais e residências por aí…onde os alunos “aprendem” com os futuros colegas, como deve ser exercida a profissão…SQN…
    Se cada um de nós, por alguns momentos diários, imaginássemos que esse ou aquele usuário/paciente fosse o nosso pai, nossa mãe, nosso avô ou nossa avó, sem falar em nossos próprios filhos, o mundo seria muito melhor… E esta “matéria” não se aprende só no seio familiar, mas, com muita influência do meio social. Se os jovens passam hoje tão grande parte do seu tempo nas Universidades, é lá também que esses exercícios tem que ser aprendidos e repercutidos…

  2. Achei perfeito a colocação de vcs. Porque ficamos imaginando q esses médicos loucos nos atendem também.E há um juramento de Hipócrates, salvar vidas e diminuir as dores das pessoas. Antigamente os médicos eram mais humanos, ligados nas famílias, hoje são mercenårios. Espero q tornem-se mais humanos!

  3. Pelo relato da impressão que os médicos passam por uma lavagem cerebral similar a realizado aos militares nos quartéis. Os militares sao obrigados a obedecer uma “autoridade” constituida sem protesto. Entretanto, fiquei surpreso em saber que estudantes de medicina se deixem submeter a supostas “autoridades” sem se rebelarem. Pergunta: o que diz e faz o CRM que voces pagam caro sobre essa falta de ética absurda?

  4. A grande dificuldade que temos de nos colocar na condição do outro. Isso só veio à tona para mim quando meu filho caçula foi diagnosticado com autismo. Luto para ele adquirir todas as habilidades possíveis mas aprendi que a mais importante é a de reconhecer o afeto e respeitar a dor alheia.

  5. Isso mesmo. Há muito nossas escolas não formam profissionais éticos, apenas e quase minimamente mão de obra. É preciso repensar a escola, em todos os níveis, desde o primário até os cursos superiores, para que formem homens e mulheres cidadãos éticos, antes de tudo.

  6. Parabens pela seriedade, humanidade o olhar que expressa este texto, leigo, não posso deixar de observar a importância do setor de saude na vida das pessoas, da sociedade, os avanços tem permitido a redução drástica da mortalidade infantil e o aumento colossal do tempo de vida das pessoas, quem trata da coisa mais cara que podemos ter, a vida, requer alem do conhecimento, do dominio da tecnica, necessita de uma dose cavalar de humanidade, sensibilidade e o amor por gente, a medicina é importante e é linda, quem tem o privilégio de exercela é um predestinado/ uma predestinada, exercer algo tão nobre precisa ter esta noção de dignidade, ética, este episódio da Dona Marisa indigna os/as milhares de médicos sérios do nosso pais.

  7. Esse ocorrido é lastimável. Mas não é apenas na medicina não, acontece também com amplitude na área da saúde em geral. Lamentável.

  8. É sou Servidora Pública da Saúde. E escutamos em “off” a desumanização :
    – Estudantes receberem trotes violentos e descontar nos próximos calouros,
    – Estudantes ficam calados diante de abusos na residência medica – cargas horarias excessivas e assédio moral dos precwptores
    – Ambulatório de Ginecologista (toque vaginais excessivo por vários estudantes numa mesma paciente )
    Quebra de sigilo médico .
    Nos faz refletir :
    -SERÁ QUE ISSO ACONTECE COMIGO?
    Seria necessário, urgente avaliar essas pessoas que querem ser médicas.
    Faz-Se necessário analisar o perfil :
    – Gostaria de lidar com pessoas?
    E se são perversas? Ou são Psicopatas? Então não servem para exercer essa profissão. Pois irão lidar com vidas. E decisões importantes. ..

  9. Vejo que diante de tal impropério, desrespeito à ética, ao profissionalismo e sobretudo o ato desumano e egoísta do profissional ou profissionais envolvidos nesta celeuma e diante de todo o espoxto nessa matéria, certamente será um grande desconforto social saber se que esta ou estas pessoas que atuam como médicos, tenham o direito de continuar no exercício da profissão e ilesos com seus CRMS intactos!!!

  10. Um texto perfeito!
    Ficam questionamentos acerca de que profissional confiamos nossas vidas para que sejam salvas! Não precisamos de médicos perversos, endurecidos e arrogantes no mundo! Necessitamos de médicos que honrem seus juramentos de salvar vidas, de serem humanitários, humildes em suas atitudes, competentes e terem amor ao próximo!
    Diga-se que para chegar ao curso de medicina 80% desses estudantes são de classe alta, por ser um das formações mais caras de nosso país ! Será que o poder aquisitivo das altas classes endurecem os corações e almas de cidadãos afastando-os do amor ao próximo e de Deus!
    Não precisamos só de competência na profissão que salva vidas …Precisamos de mais amor e Deus para guiar a vida desses profissionais!
    Cris Gêmeas

  11. Vivi um fato onde um médico de plantão no Hospital onde estava internada minha mãe, tratou com extrema estupidez é ignorância um homem que havia sido espancado por ter estrupado uma moça. Chegou de ambulancia muito ferido e foi recebido pelo médico com tapas e outros destratos. Interferi lembrando-o do juramento que fez ao se formar. Lamento e lastimo o ponto de desumanidade que estamos chegando.

    1. Tchê!!! Tu tem um vídeo mostrando o acontecido????
      Caso contrário, não faça isso com uma classe de trabalhador, seja ela qual for!!!!
      Pessoas como tu, atrasam o nosso país!
      Afinal…. o BBB só é interessante quando tem briga e escândalos, não é!?rs….

  12. Uma reforma nos cursos de medicina, engenharia, direito e outros considerados cursos elite, que incluísse matérias das ciências humanas. O exemplo de Cuba em que os recém formados fazem residência juntamente com as classes sociais mais pobres, na casa deles, talvez humanizasse os “doutores”.

  13. Num País sério seriam cassadas suas credenciais e iriam para corredor da morte tanto que quem fez a declaração de como a mataria; como todos os que passaram a os exames de Dona Marina. Não existe perdão para nenhum; só Jesus se eles se arrependerem verdadeiramente!
    Se eles a mataram. mande-os matarem também. Leia a Bíblia e verão que Deus desde do princípio deixou a lei estabelecida: “Aquele que tirar a vida de um inocente; pagará com a própria vida. Gênesis e Levítico, leiam!

  14. Mas com certeza este indiscreto e incompetente médico não é filho de um trabalhador e batalhador. Com certeza estes cretinos assogueiros assacinos são aqueles que pagaram milhões por uma prova que outros fizeram para eles. Merecem ter seu CRM caçado.

  15. Meu repúdio aos comentários dos “colegas” sobre Marisa Letícia, em seus dias que precederam a morte. Falta-lhes humanidade e empatia.
    Francisco Xavier de Oliveira

  16. “Assim caminha a humanidade”, alguém já disse isso. Nos resta saber para onde, quando tomamos conhecimento de atitudes dessa natureza! Realmente é assustador, acredito que uma política de conscientização nas escolas e universidades sobre ética/moral e valorização do ser humano, tá fazendo falta. É inaceitável alguém ficar feliz com o sofrimento alheio.

  17. A Medicina precisa, no mínimo, de trabalhar em equipe. Especialização é ESQUARTEJAMENTO e RISCO. PRÁTICA E CAPACITAÇÃO constate são prioridades. A Ética é para valorizar o paciente e facilitar o tratamento. Sem sofisticações e excentricidades. Os baixos níveis de rendimentos escolares atestam os precários tratamentos e procedimentos médicos.
    NERVOS – SANGUE – CIRCULAÇÃO – SOPRO DE VIDA – MEIO AMBIENTE são os elementos básicos da vida. O resto é caminho que se faz ao caminhar.

  18. Rede Nacional de Medicos Medicas Populares??????
    O que é isso? Tenho 46 anos de formado, 42 anos lecionando Medicina em uma Universidsde federal -Disciplina de Doenças infecciosas e Parasitas e nunca ouvi falar desta entidade. Será um braço do PT, ou do MTST, ou mesmo um grupo cubano que veio para, além de fazer espionagem comunista, aprender um pouco de medicina no Brasil?

  19. O problema, ao meu ver, é que antes de médico ou médica, são seres humanos que estão sendo formados sem uma estrutura de educação e moral !!!
    Ética e moral não faz mais parte da educação dos jovens há algum tempo!!!
    Esse é o problema!!

  20. Fica cada vez mais difícil de confiar na classe médica.Com esta postura de alguns médicos ,sem ética,sem amor a profissão,sem respeito ao paciente,que poderia ser um parente seu.Além do mais, não sabem fazer um diagnostico sem um raio X, uma tomografia e muitas vezes não sabem interpretar as imagens, olha diretamente no laudo.Está na hora de rever rever esta formação medica. Será que isto que o juramento feito?????.

  21. Isso hoje em dia não é mais novidade para ninguém, todos estão revoltados diante desta crise que envolveu todos. Mas ética deveria ser levada em alta consideração, mas quem sou eu para falar de ética e outros tantos fatos que nos deparamos no dia a dia. Isto ocorre em todos os segmentos, fico chocada ao ver esses rompantes, pois tudo se estabelece diante de quem você é ou o tanto de poder e riqueza que você detém. Médicos deveriam ter ética, amor pela profissão e muito mais pela vida das pessoas que esta diante deles todos os dias. Mas se isto ocorre dentro de nossas próprias famílias, imagina aí fora que cada um parece que vive somente para si. E é claro que um profissional que tenha chegado a um patamar com um pouco mais de poder sempre irá ver os menos favorecidos de um outro jeito, apenas terá uma visão diferente aqueles que estão ao mesmo nível seu, e não me venha dizer que isto é mentira, pois não é. Já passei por situações parecidas e isto vai acontecer sempre. Há exceções , sim há, mas o relato do descaso é bem maior. Estamos aqui todos de passagem, mas infelizmente não nos lembramos disso.

  22. ️Parabéns , graças a Deus que vocês se manifestaram sobre esse ato insano do (dos) colega (as) Dar um certo alívio. Os cidadãos éticos não podem permitir que esse fato seja mais um. Precisamos agir para não virar um inferno.

  23. Quem bom receber este convite irrecusável em momentos críticos mas também no cotidiano que no engole e processa como se estivéssemos numa máquina de moer carne. Desejo que sua voz reverbere dentro da nossa sociedade mais do que o rancor, o ódio, a prepotência, a arrogância, a polarização política que nos aliena mais do que nos fortalece para transformar o que queremos que mude.

  24. Em uma sociedade do qual a grande mídia é especulativa e vive de patrocínio dos grandes empresários que são na sua maioria deputados e senadores, só existe uma ferramenta que é o celular digital conectado a internet na mão de cada contribuinte direcionado para os instituídos prontos para capturar e divulgar o que está irregular, nesse sentido acredito em dias melhores

  25. Essa discussão, sabemos não é antiga. Um das preocupações imediatas e angustiantes é a de saber quem está ou vai formar estes médicos.
    Conheço professores que faziam pouco caso de moradores de rua, de alcoólatras porque «não tinham pra que viver”. Em uma Universidade os alunos os fazem estágio nos hospitais do próprios professores, dentro da lógica do lucro. Conheci HUs onde se seguravam pacientes no leito prá impedir a ocupação de casos novos que iriam dar mais trabalho. Mudar currículos e conteúdos programáticos com as ” velhas e mercantilistas raposas” não funciona. Meu maior medo: com a política de desinvestimento na Educação, como vamos mudar isto?!

  26. As faculdades q são liberadas para medicina sem nenhuma estrutura, sem condições para q possa formar um estudante com ética e profissional estão longe de serem conceituadas. Sómente com fins lucrativos, deveria ser mais policiado e investigado a liberação desses meios catedráticos.

  27. Tudo isso é reflexo da Educação Brasileira. Como professora, lamento essa falta de ética, de sensibilidade, de pudor e de humanidade. A escola não ensina tudo. Mas o que ensinavamos era respeito. E eramos respeitados. Hoje a falta de limites e respeito a vida ao país, degrine a imagem das classes e mostram o horror da Educação Pública e privada no país que se preocupa com a quantidade do que ensina e não com a qualidade. Podemos não concordar com ideologias, com partidarismos. Mas a vida vale mais que uma expressão descuidada e de mal gosto. Independente de gostar ou não, essa mulher que foi exposta era de alguém, esposa, filha , irmã dcoração , amiga. E poderia ser alguém da minha família. Isso me dá mefo.

  28. Como ter nome e endereço de médicos populares em minha região? Preciso consultar médicos, eu e minha mulher somos idoso, e não o faço, justo por medo de encontrar esses “que se dizem médicos”. Já tivemos experiências suficientes com este tipo de médico.

  29. É fundamental e urgente a discussão de diretrizes teórico-metodológicas para uma proposta alternativa de educação médica que possa romper com as estruturas reducionistas, tecnicistas e mercadológicas da formação médica atual. Entretanto, é preciso salientar a necessidade de se pensar que estas são as estruturas de formação da educação brasileira como um todo, na educação médica alcança visibilidade cotidianamente pelo efeito imediato de sua prática na vida e na morte das pessoas. Sou professora de futuro médicos e tenho tido alunos e alunas que me ajudam na construção perene e dialogada sobre estas questões. Vamos apostar nos nossos jovens e evitar o ódio!

  30. Tchê!!! Como a mídia é manipuladora!!!!!!
    Quem garante que fora um médico quem fez com que os exames desta paciente fossem a tona!?!?!?
    Qualquer pessoa pode ter acesso ao programa do qual libera os exames de imagem em uma instituição! Ainda mais no Sirio Libanês, que é tudo informatizado!!!!
    Parem de ficar culpando classes com postagens de mídia!!!!
    Trabalhem, tenham carater e façam o melhor pela nação, ou seja, pelo próximo!!!!
    Fico triste com a ignorância que está aumentando em nosso país nos últimos 15 anos, aproximadamente!!!

  31. Parte da culpa desta situação que enfrentamos hoje é do corporativismo, que sempre pautou as relações entre os médicos. Defendem o colega que faz errado e o resultado é a certeza de impunidade.

  32. Ótimo texto, realmente há que se perguntar: isso acontece com meus dados, confiados à um profissional que , além do juramento de Hipócrates, tem obrigação legal de manter sigilo sobre dados dos pacientes??? Imagino que em maior escala, então, com a maioria de nós…. Mas o pior é pensar também no poder de decisão sobre a vida humana que um profissional desse tem nas mãos, se levado por ideologia partidária, por falta de respeito ao ser humano ou simplesmente por falta de conhecimento acadêmico sobre ética e respeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.