TO: Surto de malária coloca em alerta população 

Facebooktwitter

por Michelle Moreira, EBC

O município de Araguatins, no extremo norte do Tocantins, registrou nove casos de malária neste começo de ano. A secretaria estadual de Saúde fala em surto da doença na cidade. Sete dos casos foram contraídos dentro do estado. Os outros dois são do Pará.

A gerente de doenças vetoriais da Secretaria Estadual de saúde, Carina Azevedo, explica que o aumento inesperado de casos se deve a falta de diagnóstico precoce. “As pessoas se deslocam e neste caso foram para um estado onde há ocorrência de casos também. Como há presença do vetor no município se estes casos das pessoas doentes não for diagnosticado precocemente, haverá transmissão da doença. Então estamos trabalhando para que tenha diagnóstico precoce e tratamento dos casos.”

De acordo com o governo, todas as pessoas infectadas estão em tratamento e apresentam quadro estável.

Ainda segundo a secretaria estadual de saúde, técnicos estão auxiliando e orientando as equipes municipais na busca ativa de casos e captura de mosquitos para identificação de espécies presentes na região. A ideia é programar um bloqueio químico, que seria a borrifação com inseticida.

No ano passado, o estado do Tocantins registrou 22 casos da doença. Deste total, apenas quatro foram contraídos no estado: nos municípios de Xambioá, Sandolândia, Araguatins e Marianópolis.

A malária é provocada por protozoários que são transmitidos pela picada da fêmea do mosquito anopheles. Como ela costuma se alimentar durante o amanhecer e o entardecer, a recomendação é para que as pessoas evitem entrar na mata entre três e seis da manhã; e no período noturno de seis às dez.

Os sintomas mais comuns são febre alta, dores de cabeça, dores nos músculos e calafrios. Todos os casos suspeitos de malária devem passar por exames de diagnóstico rápido disponíveis gratuitamente na rede pública de saúde.

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.