Crianças envenenadas: nem bebês estão a salvo dos agrotóxicos

Facebooktwitter

15/07/2016

Pesquisa da USP traz detalhes sobre distribuição etária da contaminação por pesticidas no Brasil; 40% dos casos até 14 anos em MG e MT atingem faixa até 4 anos

Por Alceu Luís Castilho

Crianças e adolescentes até 14 anos estão entre as vítimas – e entre as vítimas fatais – de pesticidas no país. E não há limite de idade. Em Estados como Minas Gerais e Mato Grosso, a incidência entre crianças de 0 a 4 anos supera 40% do total de crianças e adolescentes envenenados.

Esses são alguns dados organizados pela professora Larissa Bombardi, do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), e que farão parte da Geografia do Uso dos Agrotóxicos no Brasil, uma pesquisa que será finalizada e divulgada neste semestre.

agrotoxicos-crianças02

De Olho nos Ruralistas – um observatório sobre o agronegócio no Brasil – tem adiantado os dados desse “Atlas do Uso dos Agrotóxicos”. A estimativa é que, entre 2017 e 2014, pelo menos 1.250.000 pessoas tenham sido intoxicadas pelos pesticidas: 50 vezes mais que o número de casos notificados.

Nesse período, 2.181 crianças e adolescentes foram intoxicados por agrotóxicos. Ou mais de 100 mil, conforme a proporção de subnotificações. Notem, pelo mapa, que a incidência maior está em Unidades da Federação com amplo uso de pesticidas, como Paraná (soja, trigo) e São Paulo (cana).

“O nível de barbárie na nossa agricultura é tão grande que a gente tem essa quantidade de crianças que se intoxicam”, afirma Larissa. “Inclusive bebês”. No período analisado, 342 bebês envenenados. “Como um bebê que mal se desloca está contaminado por agrotóxicos? Qual o nível de exposição das famílias para que ele se intoxique?”

A pesquisadora considera o mapa sobre os bebês o que mais traduz a gravidade do estado do uso de agrotóxicos no Brasil.

agrotoxicos-crianças01-666x1024

Ceará e Pernambuco destacam-se por causa da fruticultura, para exportação. O estudo organizado pela pesquisadora da USP mostra que as mulheres também estão entre as vítimas mais frequentes nessas regiões, por trabalharem no cultivo.

Trezentas crianças entre 10 e 14 anos tentaram suicídio com agrotóxicos de uso agrícola, entre 2017 e 2014. “Dado traduz a gravidade da situação, a maneira como essa agricultura tem sido levada a cabo”.

(Colaborou João Peres)

Facebooktwitter

Um comentário sobre “Crianças envenenadas: nem bebês estão a salvo dos agrotóxicos

  1. muito importante esses estudos, pois é uma realidade que vem crescendo e não se faz nada para mudar isso !

    tudo em nome da ganancia e total falta de escrúpulo do ser que se coloca dessa forma irresponsável destruindo a natureza e o direito a vida saudável dos seres..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.