Opinião: O povo não pode pagar pela crise! Pela renovação do contrato dos médicos estrangeiros!

Facebooktwitter

28/04/2016

Não temos nenhuma dúvida de que caso a agenda golpista tenha sucesso, os locais que deveriam ter seus médicos substituídos simplesmente ficarão sem estes profissionais.

Por Aristóteles Cardona Júnior*

O Programa Mais Médicos surge como uma das principais ações do Governo Dilma na área da saúde levando profissionais, estrangeiros e brasileiros, a áreas com dificuldades históricas de provimento.

Com o Mais Médicos, passaram a ter acesso a um profissional da área médica vários povos indígenas, quilombolas e milhões de pessoas que antes não contavam com acesso regular àqueles profissionais. Hoje podemos afirmar que mais de 60 milhões de brasileiros possuem assistência regular, quando antes o acesso era um grave problema.

Porém a agenda golpista coloca em risco a assistência a estas dezenas de milhões de pessoas. Se aproxima o prazo de 3 anos a partir do qual deveriam ser substituídos os médicos estrangeiros alocados nos rincões do Brasil – notadamente locais que não são preenchidos pelos brasileiros – justamente no meio desta crise política. Não temos nenhuma dúvida de que caso a agenda golpista tenha sucesso, os locais que deveriam ter seus médicos substituídos simplesmente ficarão sem estes profissionais, pois um dos principais acordos do PMDB com o PSDB na área da saúde é acabar com os convênios que garantem a permanência dos médicos estrangeiros. Sem nenhum pingo de responsabilidade, já anunciam abertamente que recursos da Saúde devem ser cortados caso o golpe tenha sucesso.

Pedimos então, ao Governo da Presidente Dilma Rousself, que reveja este mecanismo e permita que os profissionais médicos cooperados possam ter sua permanência prorrogada pelo bem da saúde de dezenas de milhões de brasileiros e brasileiras que não podem pagar com sua saúde as consequências desta crise imposta pelas elites deste país!

* Aristóteles Cardona Júnior é Integrante do Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.