Encontro em Belo Horizonte discutirá saúde dos atingidos por lama da Samarco

Facebooktwitter

08/12/2015

Médicos populares estão em Mariana desde 14 de novembro para acompanhar as famílias afetadas pelo desastre

Da Redação

A Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) fazem, nesta quinta-feira (10), às 19h, um encontro para discutir estratégias de saúde para os atingidos pela lama de rejeitos da Samarco, resultado do rompimento de duas barragens da mineradora. A atividade será no Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Belo Horizonte (Sindbel), na Avenida Afonso Pena, 850, na capital mineira.

Integrantes da Rede estão em Mariana (MG) desde 14 de novembro em uma brigada de solidariedade para acompanhar a população que sofre com os impactos causados pelo rompimento das barragens. Eles preparam um diagnóstico sobre a situação de saúde dos moradores atingidos e analisam os efeitos a médio e a longo prazos do contato com a lama tóxica.

Os atingidos pelo desastre estão sem previsão do que será feito para ressarcir os danos da maior tragédia ambiental que tirou vidas humanas, destruiu a fauna e a flora da região e que não tem perspectivas de realocação dos moradores. Em análise prévia dos médicos, eles identificaram impacto psicológico e descaso com pessoas que têm doenças crônicas.

Ellen Machado Rodrigues destaca o papel da Rede no acompanhamento desta tragédia. “As pessoas vão ter que reorganizar suas vidas e para isso vão precisar de uma rede de apoio para ter garantidos seus direitos de reparação, ressarcimento e reconstituição, inclusive de reparação do ambiente onde elas estão vivendo. A Rede tem que contribuir na busca de garantir que o poder público faça valer essa reparação junto à empresa”, apontou.

+ Confira vídeo sobre o trabalho dos médicos populares em Mariana (MG):

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.