Aedes aegypti: conheça história do mosquito no Brasil

Facebooktwitter

09/12/2015

Desde o início do século 20, o mosquito já era considerado um problema. À época, a principal preocupação era a transmissão da febre amarela

Por Noelle Oliveira, do Portal EBC

O Aedes aegypti – mosquito transmissor de doenças como a dengue, a febre amarela, a febre chikungunya e a zika – é originário do Egito, na África, e vem se espalhando pelas regiões tropicais e subtropicais do planeta desde o século 16. No Brasil, segundo pesquisadores, o vetor chegou ainda no período colonial. “O mosquito veio nos navios com os escravos”, explica a pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, Margareth Capurro.

De acordo com o Instituto Oswaldo Cruz, o Aedes aegypti foi descrito cientificamente pela primeira vez em 1762, quando foi denominado Culex aegypti. O nome definitivo veio em 1818, após a descrição do gênero Aedes. Em território nacional, desde o início do século 20, o mosquito já era considerado um problema. À época, no entanto, a principal preocupação era a transmissão da febre amarela. “Na campanha contra a febre, o aedes aegypti foi erradicado do Brasil usando inseticida químico”, lembra a pesquisadora Margareth Capurro.

aedes_aegypti_infografico-portal_mb

Porém, não demorou muito para o mosquito voltar e se espalhar pelo extenso território brasileiro. Em meados dos anos 1980, o aedes aegypti foi reintroduzido no país, por meio de espécies que vieram principalmente de Singapura. Hoje, conforme estudiosos, falar em erradicação é algo improvável. “O fato de usarmos muitos inseticidas químicos fez com que sejam selecionados os mosquitos mais os resistentes. A resistência atual desses vetores é muito grande. Justamente por isso, tende-se a diminuir ao máximo o uso de inseticida químico”, esclarece Capurro.

Segundo o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) – que se baseia em dados dos meses de outubro e novembro de 2015 e acumula informações referentes a 1.792 cidades –, um total de 199 municípios brasileiros estão em situação de risco de surto de dengue, chikungunya e zika devido à presença significativa do aedes aegypti. A classificação, feita com base em dados reunidos pelo Ministério da Saúde, leva em conta o fato de que em mais de 4% das casas visitadas nesses locais foram encontradas larvas do mosquito.

Confira a situação do seu município: lista mostra situação do Aedes Aegypti em cada cidade.

Em situação um pouco menos crítica – com 1% a 3,9% dos imóveis com foco do mosquito –, o ministério identificou um total de 665 municípios brasileiros em alerta. Outros 928, foram considerados com índices satisfatórios – já que nessas localidades menos de 1% das residências apresentaram larvas do mosquito. O levantamento identificou, ainda, a presença do mosquito Aedes albopictus em 261 municípios. Esse vetor também pode transmitir a chikungunya e o vírus zika. “O zika acabou se afinando muito bem aos dois tipos de aedes”, explica Caio Freiro, do Instituto de Ciências Biomédicas da USP. Entre as 18 capitais que o Ministério da Saúde recebeu informações sobre a presença do aedes aegypti, apenas Rio Branco (AC) está em situação de risco. Outras sete são classificadas como “em alerta” e dez com “índices satisfatórios”.

Arte: Portal EBC

Foto de capa:

Facebooktwitter

2 comentários sobre “Aedes aegypti: conheça história do mosquito no Brasil

  1. Muitíssimo oportuno o lançamento deste programa. Por traz dessa celeuma em torno do mosquito zika
    com certeza há interesses inconfessos ligados às multinacionais dos agrotóxicos. Empestaram o mundo, inclusive
    o Viet-Namm o mundo, onde aparecem a cada instantes seres teratológicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.