Na mídia: médicos populares ajudam a atingidos por lama em MG

Facebooktwitter

23/11/2015

Reportagem do Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão, falou sobre a presença dos médicos populares que avaliam os danos à saúde causados pela tragédia em Mariana (MG).

Da Redação

A ação voluntária dos médicos populares em Mariana, em Minas Gerais, para avaliar os impactos à saúde causados pelo rompimento da barragem de rejeitos da empresa Samarco foi noticiada pelo Jornal Nacional, da Rede Globo de Televisão. A mineradora pertence à Vale e à anglo-australiana BHP Billiton. As barragens romperam no dia 5 de novembro e 11 pessoas ainda estão desaparecidas.

“Médicos voluntários se esforçam pra chegar até as 28 famílias que não quiseram deixar suas casas”, diz um trecho da reportagem. A médica Daiana Elias, integrante da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, lembrou que os profissionais estão lá para prestar solidariedade às vítimas e fazer um diagnóstico sobre os danos para a saúde a médio e longo prazos. “Agora, a longo prazo, a gente vai avaliar essa questão dos minerais, dos metais pesados, que podem ter impacto pra saúde da forma mais diversa”, disse a médica.

A tragédia vem sendo avaliada, pelo Movimento dos Atingidos pela Mineração (MAM) e pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), não como um acidente, mas como algo que era previsto, tendo em vista a lógica predatória envolvida na atividade de mineração.

Confira a reportagem: Médicos voluntários levam ajuda a moradores atingidos por lama em MG

Para saber mais:

+ Médicos populares estão em Mariana para mapear danos à saúde

+ Os caminhos da mineração até a lama

+ Cobertura especial do Brasil de Fato sobre a tragédia em Mariana

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.