Ministro volta a defender recursos da CPMF para a saúde

Facebooktwitter

21/10/2015

Para Marcelo Castro, saúde é subfinanciada no Brasil e precisa de mais recursos. Ele defendeu que o novo tributo seja destinado à seguridade social, com uma parcela para o setor.

Por Paula Laboissiére, da Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, durante o lançamento dos medicamentos para o tratamento da hepatite C (Elza Fiuza /Agência Brasil)

Saúde é subfinanciada no Brasil e precisa de mais recursos, diz o ministro Marcelo Castro

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, voltou a defender que parte dos recursos arrecadados com o possível retorno da Contribuição Provisória por Movimentação Financeira (CPMF) seja destinada à saúde.

“Estamos lutando para que a CPMF seja aprovada, mas, para nós, no Ministério da Saúde, é indiferente que se chame CPMF ou outro nome. O que nos interessa é a compreensão de que há um subfinanciamento da saúde no Brasil e que nós precisamos de mais recursos”, afirmou Castro, em entrevista coletiva ontem (20).

A proposta de Castro é que os recursos arrecadados por meio de um novo tributo sejam destinados ao que chamou de seguridade social, com uma parcela para a saúde, enquanto o governo defende a aplicação do dinheiro na Previdência Social.

Perguntado sobre a previsão de recursos para a pasta neste ano, o ministro disse que, apesar das grandes dificuldades enfrentadas pelo país, tudo está equacionado.

“O momento que estamos vivendo não é apropriado para uma luta exitosa no sentido de conseguir mais recursos, por causa das dificuldades e dos cortes que estão acontecendo em todas as áreas. Se conseguíssemos manter o Ministério da Saúde sem cortes, já seria uma grande vitória.”

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.