Médicos populares realizam ações em homenagem a Che Guevara

Facebooktwitter

Profissionais brasileiros resgatam memória e ideias sobre o médico revolucionário, 48 anos após seu assassinato.

13/10/2015

Da redação

“Então eu me dei conta de uma coisa fundamental: para ser médico revolucionário, a primeira coisa que é preciso ter é uma revolução”. A frase é do médico e revolucionário cubano Ernesto Che Guevara, que no dia 9 de outubro de 1967, foi assassinado em uma emboscada na Bolívia. Ele morreu há 48 anos, mas sua luta e ideais continuam inspirando todos que desejam um mundo melhor. Como médico, Che Guevara defendia que os profissionais da saúde deviam ser parte de um coletivo coletividade.

Inspirada nesses ideais, a Rede de Médicas e Médicos Populares, em parceria com o Levante Popular da Juventude, vem realizando em outubro por todo país uma série de ações de promoção da saúde para lembrar a memória de Che como militante e médico.

Em Fortaleza (CE), uma equipe composta por dois médicos e uma enfermeira foi até a comunidade de Serrinha e fez mais de 40 consultas com os moradores, medindo a pressão arterial e dando orientações sobre alimentação saudável. “O Che, além de militante, teve uma grande contribuição como médico na América Latina. Ele sempre trouxe o ideal da solidariedade e valores humanistas, que hoje são esquecidos na sociedade e na classe médica. Valores que temos de resgatar”, diz o médico Leandro Araújo da Costa, que esteve presente na ação.cajazeira1

Em Cajazeiras (PB), os médicos da Rede, militantes do Levante e estudantes assistiram, na última sexta-feira (9), ao filme “Che – o argentino”, seguido de um debate sobre a trajetória do lutador. “O Che é um exemplo para a juventude, em relação à sua disciplina, sua paixão pelos estudos, e para nós médicos por sua dedicação ao povo e aos mais pobres”, diz o médico Henrique Medeiros.

Em Belo Horizonte (MG), será realizada neste sábado (17) uma roda de conversa com médicos populares brasileiros e cubanos, além de estudantes de Medicina para discutir o perfil de profissional de saúde que a região latino-americana precisa. “Ser médico na América Latina é diferente de ser na Europa, nos Estados Unidos ou qualquer outra parte do mundo. É preciso ter muita sensibilidade com a causa e o povo, para entender os sintomas e os fatores sociais que determinam as doenças. O Che entendeu isso”, afirma o médico Bruno Pedralva.

Saúde para o povo

Che Guevara acreditava que o médico devia não apenas tratar de doenças, mas ser parte de um processo de transformação social.

AlGXg_YGr3YZslavh-d1AiPBFXqtxEA7L8QMXXKe92Rm“Meu pai falava da medicina na comunidade, que deve criar um estado de saúde para os indivíduos. Não é somente não ter uma lesão física, uma doença, mas saúde como um conceito mais amplo. Uma saúde no sentido de que se tenha dignidade, trabalho, moradia, que se possa ter um lugar para desfrutar da vida. Isso é o que dá saúde para o ser humano. É ter a possibilidade de viver com dignidade”, afirma Aleida Guevara, médica e filha de Che.

Cuba seguiu esses princípios, e hoje tem um sistema de saúde considerado como modelo pela Organização Mundial da Saúde (OMS), baseado na atenção primária, na prevenção de doenças e no internacionalismo.

“Nós nos formamos no curso de Medicina já com a consciência de que se pode ajudar o ser humano em qualquer parte do mundo. Você pode ser útil em qualquer lugar do planeta. Isso é o que aprendemos e tratamos de levar à prática”, conclui Aleida.

Facebooktwitter

4 comentários sobre “Médicos populares realizam ações em homenagem a Che Guevara

  1. “Ser médico na América Latina é diferente de ser na Europa, nos Estados Unidos ou qualquer outra parte do mundo. É preciso ter muita sensibilidade com a causa e o povo, para entender os sintomas e os fatores sociais que determinam as doenças. O Che entendeu isso” me arrepiei nessa parte! Texto perfeito e muito inspirador! Che <3

  2. Os problemas da saúde no Brasil é mais um questão social, a saúde está vista por muitos uma máfia do lucro e não para resolver problemas de doença, então a medicina como diz uma médica cubana é uma questão humana necessita estar a serviço da pessoa…este era meu sonho de estudar medicina trabalhar para tentar mudar alguma coisa…Che um grande líder e médico do povo, para o povo a serviço do povo…

  3. Ser médico hoje no Brasil é ser um grande capitalista, o cifrão é mais importante pois permite TER sempre mais e SER sempre menos. Ser médico é preciso saber ter humildade, compreender o por que, das origens das doenças que na maioria das vezes está associada à baixa qualidade dos alimentos que estão ao alcance da população de baixa renda, e quem sabe na falta dela. Ser médico é acima de tudo ser solidário com os pacientes, lutar pelo combate às causas das doenças, e por medidas preventivas. É preciso entender que nossas universidades apenas preparam os profissionais para serem agentes do grande capital, os médicos são preparados para difundir e vender pacotes tecnológicos desenvolvidos pelos grandes laboratórios da indústria farmaceutica, assim com nós agrônomos somos preparados para vender pacotes tecnológicos da indústria dos agrotóxicos e de fertilizantes químicos e, mais recentemente, da poderosa indústria produtora de alimentos é assim que funciona o perverso modelo do sistema capitalista onde o cifrão é mais importante que o ser humano, vale quem tem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.