Debate reforça SUS como uma conquista dos brasileiros

Facebooktwitter

25/10/2015

Seminário ocorreu durante a Feira Nacional da Reforma Agrária, que termina hoje (25), na capital paulista, e reuniu mais de 500 agricultores de todo o país.

Da Redação

Quem mora no Brasil pode achar natural que a saúde esteja garantida na Constituição na forma de um sistema público, que é direito de todos e dever do Estado. Os debatedores do Seminário “As conquistas do SUS e os atuais desafios” – que ocorreu hoje (25) como atividade da Feira Nacional da Reforma Agrária – lembraram que esta é uma conquista dos brasileiros e que não há país no mundo, do tamanho do Brasil, que mantenha um sistema nesse modelo.

Os integrantes da Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, Ellen Rodrigues e Thiago Henrique Silva, e o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Alexandre Padilha, reforçaram a necessidade de a sociedade assumir a defesa do SUS, que, desde a criação, é pressionado pelo mercado privado. “Temos que fortalecer no imaginário da sociedade que saúde pública é importante para garantir direitos, reduzir desigualdades e para o desenvolvimento do país”, declarou Padilha.

O secretário lembrou que há 25 anos, antes da criação do SUS, o direito à saúde era restrito a quem trabalhava e contribua com a Previdência Social. “Você tinha coisas da saúde, do corpo humano, servindo como mercadoria”, apontou. Ele citou como exemplo a transfusão de sangue, pois não havia controle das bolsas, tanto do ponto de vista dos exames, como da comercialização. “Isso mobilizou a sociedade para entender: saúde, vida, corpo humano são tão importantes que não podem ficar na mão do setor privado. Não pode o dinheiro falar mais alto”, declarou.

Para Padilha, o principal desafio do SUS na atualidade é voltar a construir com a sociedade uma consciência de que país vai ser menos desigual e mais justo se houver uma saúde pública forte. Ele destacou ainda que, atualmente, há situações simbólicas contra as quais é preciso se contrapor para que a saúde dos brasileiros não fique sujeita a interesses econômicos. O secretário citou a indústria de cesárea, tendo em vista que o Brasil é líder mundial no procedimento, e o uso indiscriminado de medicamentos.

debate SUS_PadilhaDireito x mercado

A médica sanitarista Ellen Rodrigues destacou que a oposição entre os que defendem a saúde como um direito e os que querem fazer dela um negócio de mercado. Ela explica que essa oposição gera uma disputa, pois não há interesse em tornar o SUS um serviço que possa funcionar plenamente, tendo em vista que as empresas perderiam clientes. “A gente faz parte da turma que luta para defender saúde como direito. A diferença entre os dois blocos é muito grande. Eles estão com mais recursos para fazer essa disputa do que nós”, avaliou.

Ellen cita, entre os aliados do mercado privado para que se construa uma imagem de descrédito do SUS, a mídia, o conservadorismo do Congresso Nacional e a perda de recursos do sistema, inclusive com parte desse dinheiro sendo repassado para operadoras de saúde. “É o que acontece, por exemplo, quando as pessoas deduzem o valor pago no plano de saúde no Imposto de Renda”, apontou. Ela criticou, por outro lado, que é comum os planos não assumirem procedimentos de alta complexidade, os quais são feitos no sistema público, sem que haja ressarcimento ao Tesouro.

O médico de família Thiago Silva avalia que é com muita resistência que o SUS consegue se resguardar, apesar dos ataques aos seus princípios – como universalidade e gratuidade –, nestes 25 anos de existência. “Ao não permitir um financiamento adequado ao sistema público de saúde desde aquela Constituinte, várias forças do país colocaram uma possibilidade de destino para o SUS. Se não fosse o lado da gente, que pensa em solidariedade, que pensa em avançar para um sistema de proteção social que, de fato, proteja as pessoas; se não fosse a luta da gente do outro lado, o SUS não tinha chegado nem perto do que é hoje”, apontou.

Compromisso

Os profissionais que não têm compromisso com a saúde pública também foram criticados no debate. Com uma plateia formada, em grande parte, por produtores rurais, os relatos de situações de descaso no SUS foram comuns. Preconceito com a população rural, negativas para atendimentos de urgência e cobranças irregulares foram alguns dos casos apresentados. A agricultora Gabrielly Braga, 23 anos, do acampamento Herdeiros da Luta, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em Porecatu, no Paraná, falou sobre a cobrança de uma prótese de mama. “Minha tia teve câncer de mama, ficou 4 anos na fila para colocar silicone. Ela foi no hospital na data marcada e médica cobrou R$ 3 mil pela prótese, porque falou que SUS só cobria a cirurgia”, relatou.

Thiago Silva destacou que, entre outros motivos, foi para contrapor essa lógica mercantil da prática de medicina que foi criada a Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares, na qual se insere o site Saúde Popular. “Nós queremos colocar médicos, profissionais de saúde, progressistas, populares, para a gente fazer o debate com as pessoas na perspectiva de que a vida delas não esteja atrelada ao mercado”, apontou. Para Thiago, é preciso esclarecer a ideia de que não é possível ter um sistema privado como aliado do público, pois ele trabalha para desconstruir o SUS. “Não só quando consegue clientes, mas também pela isenção fiscal”, avaliou.

O deputado federal Ivan Valente (PSOL) também acompanhou o evento e, ao fazer uma saudação ao público, lembrou que os ataques conservadores do Congresso partem de uma bancada que se intitula em defesa da Saúde, mas que, na verdade, é aliada de empresários do setor. “O Eduardo Cunha, que é presidente da Câmara dos Deputados, foi financiado pelo Bradesco Saúde, R$ 250 mil. Ele fez uma emenda em que ele anistiava a multa dada aos planos de saúde em R$ 2 bilhões, e depois foi vetado pela presidenta da República [Dilma Rousseff]”, criticou.

Fotos: Júlio de Oliveira

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.