ANS manda Unimed Paulistana transferir 740 mil clientes para outras operadoras

Facebooktwitter

02/09/2015

No balanço de 2014, a Unimed Paulistana apresentou prejuízo de R$ 275 milhões e patrimônio líquido negativo de 169 milhões. No dia 20 de agosto, a ANS suspendeu 73 planos de 15 operadoras.

Por Daniel Mello, da Agência Brasil

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou hoje (2) que a Unimed Paulistana repasse toda a carteira de clientes para outras operadoras. Segundo o órgão, a medida objetiva garantir a assistência aos consumidores.

Em nota, a Unimed informou que já está comunicando os clientes, corretoras e cooperativas sobre a determinação da ANS. A operadora acrescentou que “está trabalhando ativamente para dar completo apoio aos mais de 740 mil clientes”. Dos beneficiários da operadora, 78% são clientes de planos coletivos.

A agência informou que acompanha a situação da Unimed Paulistana desde 2009, com a instauração de quatro regimes especiais de direção fiscal. Na prática, um agente nomeado pela ANS fez um acompanhamento presencial da gestão devido a “anormalidades econômico-financeiras graves”. Também foram instalados dois regimes de direção técnica, quando o agente indicado pelo órgão faz acompanhamento em razão de “anormalidades assistenciais e administrativas graves”.

No balanço de 2014, a Unimed Paulistana apresentou prejuízo de R$ 275 milhões e patrimônio líquido negativo de 169 milhões.

Como os problemas administrativos e financeiros não foram solucionados, a ANS decidiu pela transferência de todos os beneficiários da operadora em até 30 dias. A empresa que assumir os contratos terá de apresentar situação financeira adequada para manter as condições acordadas com os clientes da Unimed.

Até a transferência, a Unimed tem a obrigação de continuar atendendo os beneficiários. Os consumidores devem manter os pagamentos em dia, de modo a garantir os direitos de migração para a nova operadora.

Planos suspensos

No último dia 20, a ANS suspendeu a venda de 73 planos de saúde de 15 operadoras. A determinação foi dada para as empresas que tiveram muitas reclamações dos beneficiários. A lista com os planos suspensos está disponível no site da agência.

A medida é resultado do 14º ciclo do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento, que avalia as reclamações de consumidores, como descumprimento dos prazos máximos de atendimento e negativas indevidas de cobertura.

Das 15 operadoras de planos com venda suspensa nesta etapa, 11 constavam na lista de suspensão do período anterior. Além de interromper a venda, as operadoras que negaram indevidamente cobertura podem receber multa que varia de R$ 80 mil a R$ 100 mil.

Segundo a ANS, a punição só termina quando a empresa provar que melhorou o atendimento aos clientes. Dessa forma, 52 planos de saúde que tiveram a comercialização suspensa em ciclos passados podem voltar a ser vendidos, pois conseguiram melhorar o atendimento.

Desde o início do monitoramento, 1.140 planos de 155 operadoras já tiveram as vendas suspensas e 976 planos voltaram ao mercado após comprovarem melhorias no atendimento.

Foto de capa: Arquivo/ABr
Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.