ONU alerta sobre desafios para a saúde dos indígenas

Facebooktwitter

10/08/2015

Do Portal EBC

A saúde e o bem estar dos povos indígenas de todo o mundo preocupam as Nações Unidas, que pedem mais atenção para a situação. O secretário-geral cita vários desafios, como a falta de habitação e de saneamento adequados.

A mensagem de Ban Ki-moon está ligada ao Dia Internacional dos Povos Indígenas do Mundo, celebrado este domingo, 9 de agosto. Ban destaca que o índice de diabetes entre os indígenas é alto e muitos abusam do álcool e das drogas.

Suicídio

Muitas indígenas grávidas não recebem cuidados pré-natais e outro problema é a violência doméstica. Ban lembra que as taxas de suicídio entre jovens e de mortalidade infantil também preocupam.

O chefe da ONU pede que essas questões sejam tratadas, com urgência, na nova agenda global de desenvolvimento sustentável. Ban Ki-moon ressalta que é preciso saber qual a maneira culturalmente mais apropriada de ajudar os indígenas a alcançarem o bem estar.

Comida Típica

Para um futuro mais justo, o secretário-geral lembra que os indígenas não podem ser deixados de lado, por isso ele apela à comunidade internacional a contribuir para a melhoria da saúde dos povos nativos.

O Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola, Fida, destaca que nos últimos anos, vários alimentos típicos das comunidades nativas tornaram-se populares, como a quinoa.

Desnutrição

Mas ainda assim, no mundo todo, a nutrição inadequada está entre os principais problemas de saúde que afeta os  indígenas. Na América Latina, por exemplo, a taxa de subnutrição entre crianças indígenas é duas vezes maior que o índice médio da população.

O Fida avalia que com o aumento da demanda internacional por produtos como a quinoa, os estoques dos povos nativos estão diminuindo. Em 2007, a Assembleia Geral adotou a Declaração sobre os Direitos dos Povos Indígenas, documento que afirma o direito dos indígenas à serviços sociais e de saúde.

Foto de capa: Eskinder Debebe/UN
Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.