Cartilha vai ajudar índios da Amazônia na prevenção da aids

Facebooktwitter

18/08/2015

Segundo a Unesco, a cartilha levou um ano e meio para ficar pronta e foi construída com base em diálogos com os índios kanamaris, para que tivesse um recorte cultural da própria etnia

Por Andreia Verdélio, da Agência Brasil

Os índios kanamari, que vivem no Vale do Javari, no Amazonas, ganharão uma cartilha própria com orientações sobre prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), aids e hepatites virais, além de conscientização sobre o uso de álcool e outras drogas. Desenvolvida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) no Brasil e pelo Programa Conjunto das Nações Unidas sobre o HIV/Aids (Unaids), a cartilha será lançada hoje (18) no município de Atalaia do Norte.

A publicação trata do tema sob a perspectiva da cultura indígena, é dirigida a crianças e adolescentes em idade escolar e será utilizada em escolas e serviços de saúde. Ela foi elaborada pelos próprios índios e traduzida para o português. Entre as recomendações estão não beber nem levar bebida alcoólica para a aldeia, respeitar, resguardar-se e não ter relações sexuais quando beber Ramih (uma bebida típica indígena), além de não aceitar estrangeiros (peruanos ou brasileiros) e outros desconhecidos nas aldeias.

Segundo a oficial de Educação da Unesco no Brasil Mariana Braga, a cartilha levou um ano e meio para ficar pronta e foi construída com base em diálogos com os kanamaris, para que tivesse um recorte cultural da própria etnia. “Isso é o que torna a cartilha diferente de todos os materiais produzidos para a população indígena, foi produzido por eles”.

A série foi elaborada com base em informações coletadas em oficinas de prevenção realizadas no Vale do Javari, que fica próximo à fronteira do Brasil com a Colômbia e o Peru, com a participação de antropólogos, professores, agentes indígenas de saúde, pajés, curandeiros, parteiros e lideranças de diferentes povos da região.

Mariana conta que existem na cartilha recomendações como não comprar aparelho de som, pois para os kanamaris isso é uma ameaça à própria cultura. “Foi uma recomendação do povo Kanamari para prevenção. Não posso dizer até que ponto isso está influenciando, mas o que eles querem é que isso não corra. Então sugerem que as escolas trabalhem a questão da valorização da cultura local e o não uso e a não valorização de culturas brancas.”

A cartilha Falando sobre Prevenção às DST/Aids e Hepatites Virais – Kanamari é a quarta da Série Javari, uma coleção elaborada pela Unesco e pelo Unaids, em parceria com o Ministério da Saúde e a Fundação Nacional do Índio. Mais três volumes da série foram dirigidos aos índios matis, mayorunas (Matsés) e marubos e estão disponíveis no site da Unesco no Brasil.

Segundo Mariana, a Unesco, juntamente com o Ministério da Saúde, já relacionou um grupo de dez etnias que são mais acometidas pelo HIV, pelas hepatites e pelo uso de álcool, para a construção de cartilhas semelhantes. “Nós temos essa lista pronta e vamos atrás de financiamentos, recursos e parceiros para nos apoiar nessa iniciativa”, disse ao acrescentar que nem todas as etnias listadas são da Amazônia.

Foto de capa: Divulgação/Unesco
Facebooktwitter

3 comentários sobre “Cartilha vai ajudar índios da Amazônia na prevenção da aids

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.