Cursos de medicina serão avaliados in loco em 2016, diz ministro

Facebooktwitter

26/08/2015

Governo quer ampliar o número de cursos e vagas no interior do país. Renato Janine rebateu críticas feitas pelo Conselho Federal de Medicina sobre as exigências para a criação de cursos

Por Marieta Cazarré, da Agência Brasil

O ministro da Educação (MEC), Renato Janine Ribeiro, anunciou hoje (26) que mudanças na avaliação dos cursos e estudantes de medicina.

De acordo com o ministro, todos os cursos da área serão avaliados in loco em 2016. A secretária de Regulação e Supervisão da Educação Superior do MEC, Marta Abramo, explicou que mesmo os cursos que tenham histórico de boas notas não serão dispensados da avaliação.

O ministério anunciou também mudanças na avaliação dos estudantes de medicina. Os alunos do segundo, quarto e sexto ano (o último do curso) passarão por exames bienais. “Dada a relevância da medicina, dado que ela está lidando com a vida das pessoas, nós decidimos avaliar três vezes ao longo do curso. A nossa rigidez em termos de qualidade dos cursos de medicina vai ser muito grande”, afirmou o ministro Renato Janine.

Outra novidade é que para cada aluno que se formar, a instituição de ensino terá que disponibilizar uma vaga de residência. “Se nós temos uma faculdade com 50 vagas e a residência é de dois anos, nós precisaremos ter, na verdade, 100 vagas de residência – metade para o primeiro ano e metade para o segundo ano”, explicou o ministro. A intenção do governo, segundo o ministro, é que todos os alunos tenham acesso à residência.

Sobre os cursos de medicina no âmbito do Programa Mais Médicos, o Ministério da Educação aponta que o edital de 2015 tem mais de 16 mil vagas em instituições no interior do país e mais de dez mil vagas nas capitais. “O aumento das vagas é muito grande, mas é importante ressaltar que tudo isso se faz com qualidade”, afirmou o ministro.

De acordo com Renato Janine, um dos objetivos é descentralizar o ensino de medicina, ampliando o número de cursos e vagas no interior do país.

O ministro rebateu críticas feitas ontem (25) pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre as exigências para a criação de cursos.

De acordo com o conselho, 25 escolas não atendem ao critério de cinco leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) para cada aluno de medicina matriculado. Segundo o ministro, a exigência é ter, na região de saúde (que pode reunir mais de um município), pelo menos cinco leitos do SUS por aluno e três estudantes por equipe de atenção básica, além de serviços de urgência e emergência ou pronto-socorro, o que significa que, dentro de uma distância razoável, onde se possa fazer o deslocamento com rapidez, pode ser utilizada a estrutura de saúde existente na região.

Facebooktwitter

Um comentário sobre “Cursos de medicina serão avaliados in loco em 2016, diz ministro

  1. Agora senti firmeza, essas avaliações bimestrais haverão de promover maior empenho nos estudos, deixando de estudar apenas com intenção de tirar boa nota, para estudar para verdadeiramente aprender. ALUNOS DO CURSO DE MEDICINA NÃO ESTÃO NA FACULDADE PARA APRENDER ANATOMIA, ESTÃO PARA DESENVOLVER RACIOCÍNIO CLÍNICO, GERAL E/OU ESPECÍFICO. A hora que eles se conscientizarem disso, o nível das universidades vão aumentar consideravelmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.