Cadastro quer melhorar distribuição de especialistas

Facebooktwitter

04/07/2015

Durante comemoração pelos dois anos do programa, foi anunciado também a criação do Cadastro Nacional de Especialistas e ações para integração disciplinar entre o SUS e as universidades

Da Redação

A criação do Cadastro Nacional de Especialistas, a abertura de novas vagas para residência médica e a integração disciplinar entre o SUS e as universidades são as novas medidas anunciadas pelo governo federal para aperfeiçoar eixos do Sistema Público de Saúde (SUS). O anúncio foi feito pela presidenta Dilma Rousseff e pelos ministros da Saúde, Arthur Chioro, e da Educação, Renato Janine, durante a cerimônia de comemoração de dois anos do Programa Mais Médicos, hoje (4), em Brasília (DF).

Um decreto instituiu o Cadastro Nacional de Especialistas, cujo propósito é quantificar o número de médicos especialistas, especificar de que áreas são e onde estão localizados. Segundo o Ministério da Saúde, o objetivo é melhorar a distribuição entre as regiões do país destes profissionais, focando em áreas específicas.

Uma Portaria Interministerial foi assinada entre o Ministério da Educação (MEC) e o Ministério da Saúde para a abertura de 3 mil novas bolsas de residência médica, das quais 75% são direcionadas para medicina geral, da família e da comunidade. A medida busca especializar os médicos para atuarem mais próximos à população em áreas de formação estratégicas para o SUS.

Também foi anunciada, a abertura de 50 novos cursos em regiões do interior e sertão do país. Mais de 5 mil vagas já foram aprovadas entre os ministérios envolvidos no projeto e deverão começar as atividades em até 18 meses. Assim, o número de vagas, que até 2013 era de 0,8 por cada 10 mil habitantes, passa a ser de 1,32 por cada 10 mil habitantes. A meta regional é de 1,34.

Além das três medidas, foi lançado o site dos Mais Médicos, que agregará dados sobre o programa e as cidades atendidas. A presidenta entregou ainda três certificados para médicos que se formaram em saúde de família pela Universidade Aberta do SUS (Unasus).

Algumas metas para sanar o déficit de profissionais na área de medicina no país também foram reafirmadas pelo governo durante a cerimônia. A projeção do governo é chegar a 11,5 mil vagas em graduação e 12,7 mil em residência até 2018. Com este anúncio, o total de vagas em curso chega a 7.742 bolsas. As novas vagas estarão dividas principalmente entre as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O esforço do programa Mais Médicos em interiorizar os processos de formação em medicina no país foi elogiado pela estudante de medicina, Ana Luiza Silva, durante o emocionado discurso dela na cerimônia. “Nesse momento, me vem à memória o seu discurso como primeira mulher presidenta do país. A senhora falou para todos os pais e mães do país que olhassem nos olhos de suas filhas e as dissessem que elas também podiam ocupar o cargo mais importante do Brasil. Peço que eu possa reformular sua frase, mas agora toda mulher do interior e do sertão o Brasil já pode sonhar em ser doutora”, declarou.

Foto de capa: Marcello Casal/ABr
Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.