Proposta de Cunha que limita assistência em saúde a quem trabalha é ataque ao SUS, avaliam especialistas

Facebooktwitter

 

27/07/2015

Da TVT

Em discussão no Congresso Nacional, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 451, de 2014, de autoria do deputado Eduardo Cunha, propõe alterar o artigo 7º da Constituição Federal para obrigar que todos os empregadores brasileiros garantam aos trabalhadores serviços de assistência à saúde.

Para organizações e movimentos populares defensores do Sistema Único de Saúde (SUS), a medida contribui para o desmonte do sistema público, ao tirar do Estado o dever maior de garantir o direito à saúde.

O Saúde Popular publica edição do Programa Melhor e Mais Justo, da TVT, na qual os médicos sanitaristas Ricardo Fernandes de Menezes e Marília Lovizon falam sobre os atuais ataques ao SUS, como a PEC 451 e a diminuição dos recursos financeiros.

A PEC 451

O mestre em Ciência pela Universidade de São Paulo (USP) e médico sanitarista, Ricardo Fernandes diz que a PEC acaba com o direito social à saúde que esta na constituição. “Passa a ter direito à assistência de saúde só quem tem emprego, quem não tem, volta a ser indigente, como era antes do SUS”, apontou.

Marília Lovizon, doutora e professora de Saúde Pública na USP, criticou parte da mídia que desvaloriza o público em favor do privado. Ela destacou que movimentos sociais da área da saúde estão se mobilizando contra essa e outras medidas que desestruturam o SUS.

A reportagem entrou em contato com a assessoria do deputado Eduardo Cunha, mas não houve retorno até a publicação.

Confira o programa Melhor e Mais Justo da TVT que discutiu a PEC 451:

Facebooktwitter

Um comentário sobre “Proposta de Cunha que limita assistência em saúde a quem trabalha é ataque ao SUS, avaliam especialistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.