Mais Médicos: 82% dos pacientes dizem que consultas resolvem melhor os problemas de saúde

Facebooktwitter

Ouça o áudio:

 

(2’12″/ 532 Mb) Pesquisa do Ministério da Saúde com 14 mil pessoas atendidas pelo Programa Mais Médicos revela alto índice de aprovação da iniciativa.

Para 82% dos pacientes, as consultas estão resolvendo melhor seus problemas de saúde. Durante uma consulta, a atenção oferecida pelos médicos, cuja maioria é de cubanos, melhorou para quase 90% dos entrevistados.

A qualidade da assistência também teve avanços para 85% dos pesquisados. As entrevistas foram feitas entre novembro e dezembro do ano passado nos quase setecentos municípios atendidos pelo programa.

Lançado em 2013, o Mais Médicos levou assistência em saúde para 63 milhões de brasileiros que não tinham o serviço.

O programa tem possibilitado atendimento para populações mais vulneráveis, como as que vivem nas periferias das grandes cidades, em quilombos, assentamentos rurais e aldeias indígenas.

A pesquisa foi aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG, e pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas, o Ipespe. Nas entrevistas, também foram incluídas questões a serem respondidas de forma espontânea.

Em relação às melhorias proporcionadas pelo programa, 41% citaram o aumento do número de consultas, 35% apontaram que os médicos estão mais atenciosos e 8% destacaram que o tempo das consultas é maior.

Sobre os pontos positivos do Mais Médicos, 60% dos entrevistados destacaram a presença constante do médico e o cumprimento da carga horária.

Apesar dos avanços, algumas desafios continuam. Pouco mais de 60 por cento destacaram a falta de especialistas e quarenta e cinco por cento falaram da demora para conseguir exames.

O Mais Médicos é formado por médicos brasileiros e estrangeiros. Dos mais de 14 mil profissionais que fazem parte do programa, cerca de 11 mil são cubanos, que participam do programa por meio de cooperação com a Organização Pan-Americana da Saúde, a Opas.

A previsão do governo federal é que, com as novas chamadas deste ano, o programa alcance mais de dezoito mil médicos em mais de quatro mil municípios.

De São Paulo, da Radioagência Brasil de Fato, Vivian Fernandes.

Facebooktwitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

São bem-vindas declarações que se proponham ao diálogo, defendam posições, que exponham ideias, dúvidas, sugestões e críticas. Não serão aceitos comentários sexistas, xenófobas, racistas, homofóbicas ou que contrariem princípios dos direitos humanos. A moderação também irá filtrar a comentários que incorram em crimes de ódio, incitação à violência e calúnia. Textos com propaganda comercial serão excluídos.